Morashá

CARTA AO LEITOR:
ANO XI N.43 DEZEMBRO 2003

Logo estaremos comemorando Chanucá. Suas luzes serão acesas em todos os lares judaicos, celebrando os acontecimentos da época dos hashmoneus, quando os greco-sírios estavam determinados a eliminar a religião judaica. Mas os hashmoneus se negaram a desistir de seus princípios e preceitos religiosos e, apesar de serem poucos em número, prevaleceram, guiados pelo Todo-Poderoso. Graças à sua fé e coragem foram premiados com milagres divinos. A festividade de Chanucá é, primordialmente, uma celebração da força da espiritualidade judaica e suas luzes representam a vitória desse espírito inabalável.

Nos dias de hoje também vivemos momentos de escuridão. O mundo passa por uma época turbulenta, que abala a segurança física dos homens. O princípio de que cada vida humana é sagrada, de que cada um de nós é, em si, um universo, está sendo atacado. E, como repetidas vezes ocorreu na história da humanidade, o povo judeu - na diáspora e, sobretudo, em Israel - está na linha de frente desses ataques.

Não devemos acomodar-nos e aceitar o mundo desta forma. Cada um de nós pode e deve ajudar. Ainda somos um povo pequeno, em número, mas continuamos a ser guiados pelos mesmos princípios que nos nortearam através dos séculos. Como disse, certa vez, o então presidente de Israel, Ezer Weizmann, ...
“somos um povo de memória e orações. Somos um povo de palavras e de esperança. Não nos preocupamos em criar impérios nem construir palácios e castelos. O que vimos fazendo, ao longo dos tempos, foi colocar palavras sobre palavras. Demos corpo a ideais...”. Como judeus, precisamos reafirmar os valores judaicos de justiça e paz e, acima de tudo, da santidade da vida. Precisamos assumir nossa responsabilidade individual e coletiva, unir-nos para a mobilização em defesa de nosso povo e do resto da humanidade.

As luzes de Chanucá simbolizam que o judaísmo e sua mensagem de bondade e justiça e de devoção a D'us - hão de prevalecer sempre, em todos os tempos, sobre a escuridão.

Chanucá Sameach!

LEIA A CARTA NA ÍNTEGRA...

CARTA AO LEITOR:
ANO XI N.43 DEZEMBRO 2003

Logo estaremos comemorando Chanucá. Suas luzes serão acesas em todos os lares judaicos, celebrando os acontecimentos da época dos hashmoneus, quando os greco-sírios estavam determinados a eliminar a religião judaica. Mas os hashmoneus se negaram a desistir de seus princípios e preceitos religiosos e, apesar de serem poucos em número, prevaleceram, guiados pelo Todo-Poderoso. Graças à sua fé e coragem foram premiados com milagres divinos. A festividade de Chanucá é, primordialmente, uma celebração da força da espiritualidade judaica e suas luzes representam a vitória desse espírito inabalável.

Nos dias de hoje também vivemos momentos de escuridão. O mundo passa por uma época turbulenta, que abala a segurança física dos homens. O princípio de que cada vida humana é sagrada, de que cada um de nós é, em si, um universo, está sendo atacado. E, como repetidas vezes ocorreu na história da humanidade, o povo judeu - na diáspora e, sobretudo, em Israel - está na linha de frente desses ataques.

Não devemos acomodar-nos e aceitar o mundo desta forma. Cada um de nós pode e deve ajudar. Ainda somos um povo pequeno, em número, mas continuamos a ser guiados pelos mesmos princípios que nos nortearam através dos séculos. Como disse, certa vez, o então presidente de Israel, Ezer Weizmann, ...
“somos um povo de memória e orações. Somos um povo de palavras e de esperança. Não nos preocupamos em criar impérios nem construir palácios e castelos. O que vimos fazendo, ao longo dos tempos, foi colocar palavras sobre palavras. Demos corpo a ideais...”. Como judeus, precisamos reafirmar os valores judaicos de justiça e paz e, acima de tudo, da santidade da vida. Precisamos assumir nossa responsabilidade individual e coletiva, unir-nos para a mobilização em defesa de nosso povo e do resto da humanidade.

As luzes de Chanucá simbolizam que o judaísmo e sua mensagem de bondade e justiça e de devoção a D'us - hão de prevalecer sempre, em todos os tempos, sobre a escuridão.

Chanucá Sameach!


ISRAEL HOJE

Dezessete anos à espera de Ron Arad

Dezessete anos à espera de Ron Arad

A nova residência da família Arad ficou pronta em Givat Elah em 1994, mas continua vazia. A mãe Tami e a filha Yuval condicionam a mudança à volta para casa do marido e pai Ron, que iniciou a construção antes que uma tragédia desabasse sobre a família.

Edição 43 - Dezembro de 2003

HOLOCAUSTO

Kristallnacht, novembro de 1938: inicia-se o pesadelo

Kristallnacht, novembro de 1938: inicia-se o pesadelo

As sinagogas em chamas, os rolos da Torá queimados, o barulho ensurdecedor de centenas de milhares de vidros estilhaçados, a dor e desespero de milhares de judeus continham um presságio: não havia mais esperança para a vida judaica na Alemanha nazista.

Edição 43 - Dezembro de 2003

HOLOCAUSTO

Yad Vashem - 50 anos  Sua missão: não esquecer jamais!

Yad Vashem - 50 anos Sua missão: não esquecer jamais!

Vocês estão prestes a entrar em um mundo diferente. Um mundo negro onde o mal reinou durante doze longos anos. Um mundo criado por seres humanos para matar outros seres humanos. A Shoá foi uma tentativa dos nazistas e seus cúmplices de aniquilar o povo judeu.

Edição 43 - Dezembro de 2003

COMUNIDADES DA DIÁSPORA

Os milagres de Purim se repetem através da história

Os milagres de Purim se repetem através da história

O milagre de Purim, quando os judeus foram salvos do extermínio iminente, planejado pelo infame Haman, na Pérsia do rei Assuero, repetiu-se ao longo da história judaica.

Edição 43 - Dezembro de 2003

VARIEDADES

CARTAS

CARTAS

Cartas

Edição 43 - Dezembro de 2003

VARIEDADES

UM ORIENTE MAIS PRÓXIMO

UM ORIENTE MAIS PRÓXIMO

Mais de 300 pesoas prestigiaram no dia 3 de novembro, a abertura da exposição de fotografias do jovem Michel Gordon, realizada na Congregação Beneficiente Sefardi Paulista.

Edição 43 - Dezembro de 2003

BRASIL

A Hebraica: 50 anos de sucessos

A Hebraica: 50 anos de sucessos

Orgulhosa da sua condição de maior clube judaico do planeta, “A Hebraica de São Paulo” completa 50 anos mais jovial e ativa do que nunca.

Edição 43 - Dezembro de 2003

HISTÓRIA JUDAICA MODERNA

Stalin: seu último crime

Stalin: seu último crime

URSS, 1º de março de 1953: Verdadeiro milagre salva os judeus russos. Após ter jantado em companhia de quatro de seus assessores mais próximos, Josef Stalin é, de súbito, acometido de uma hemorragia cerebral e entra em coma.

Edição 43 - Dezembro de 2003

LEIS, COSTUMES E TRADIÇÕES

O QUE É O TALMUD?

O QUE É O TALMUD?

Rabino Adin Steinsaltz, sábio responsável pela tradução do Talmud ao hebraico moderno, ao inglês e ao russo referiu-se à importância dessa obra magistral com as seguintes palavras: 'Se a Torá é a pedra fundamental do judaísmo, o Talmud é seu pilar..."

Edição 43 - Dezembro de 2003

CRÔNICAS E CONTOS

POR OBRA DO ACASO

POR OBRA DO ACASO

Seria possível que, há apenas um ano, ele tivesse uma família grande e feliz, de dez pessoas, e que agora, um ano depois, quase todos tivessem desaparecido? Era como se suas lembranças pertencessem a outros tempos, a outro lugar e a outra pessoa.

Edição 43 - Dezembro de 2003

BIOGRAFIAS

BEN-GURION

BEN-GURION

Dentro de três anos, no mês de dezembro, David Ben-Gurion estará completando 120 anos. Isto não quer dizer que ele vá desaparecer, mesmo porque já morreu quando tinha 87 anos de idade e, a rigor, continua vivo.

Edição 43 - Dezembro de 2003

BIOGRAFIAS

LEVI STRAUSS: UMA IDÉIA DE OURO

LEVI STRAUSS: UMA IDÉIA DE OURO

A chamada Corrida do Ouro à Califórnia, em 1848, mudou a face da América do Norte. Muitos imigrantes foram atraídos para São Francisco, esperando fazer fortuna em suas minas de ouro.

Edição 43 - Dezembro de 2003

BIOGRAFIAS

ANNA FREUD, PIONEIRA NA PSICANÁLISE INFANTIL

ANNA FREUD, PIONEIRA NA PSICANÁLISE INFANTIL

Conhecida como uma das personalidades mais importantes da psicanálise infantil, Anna Freud a mais nova dos três filhos de Martha e Sigmund Freud foi a única a seguir os passos do pai no campo da psicanálise, sendo intérprete e defensora constante de

Edição 43 - Dezembro de 2003

JUDAISMO NO MUNDO

O SHABAT EM SALÔNICA

O SHABAT EM SALÔNICA

Esta é uma descrição feita por um não judeu sobre uma comunidade judaica, bela e de fortes raízes, na qual a “rainha”, o shabat, reinava com poderio ilimitado. É a comunidade de Salônica, cujos habitantes judeus, dinâmicos e ágeis, propagaram o espírito...

Edição 43 - Dezembro de 2003

PROFETAS E SÁBIOS

NOÉ: O PAI DA HUMANIDADE

NOÉ: O PAI DA HUMANIDADE

“Noé foi um homem justo e perfeito em sua geração”, afirma a Torá. Sua vida e suas ações se entrelaçam com o Grande Dilúvio que varreu a Terra no início da história, destruindo toda a humanidade, à exceção dele e de seus familiares.

Edição 43 - Dezembro de 2003

CHANUCÁ

CELEBRANDO CHANUCÁ

CELEBRANDO CHANUCÁ

A festa de Chanucá inicia-se no dia 25 de Kislev, este ano 19 de dezembro, e vai até 2 de Tevet – 26 de dezembro. Desde a histórica vitória dos macabeus sobre os assírios ocorrida em 165 aEC, os judeus celebram Chanucá durante oito dias.

Edição 43 - Dezembro de 2003