Morashá

Você sabia?


Como o judaísmo encara as mulheres?

No judaísmo as mulheres são vistas como diferentes dos homens, mas iguais em importância e não - como muitos supõem - inferiores. As obrigações das mulheres e suas responsabilidades são diferentes daquelas dos homens, mas isto não significa que são menos importantes. A igualdade entre homens e mulheres se inicia no mais alto nível possível: em D’us. No judaísmo D’us nunca foi visto como um Ser masculino ou com características exclusivamente masculinas. Pelo contrário, Ele tem qualidade masculinas e femininas. De acordo com judaísmo, as mulheres são dotadas com um grau maior de “binah” (intuição, compreensão, inteligência) que os homens. Desde os tempos bíblicos mulheres eram altamente respeitadas entre os Filhos de Israel, suas opiniões ouvidas e, em vários casos, foram líderes entre seu povo. Miriam é considerada uma profetisa e um dos libertadores dos Filhos de Israel junto com seus dois irmãos - Moisés e Aaron. Deborah foi uma dos Juízes de Israel. E 7 entre os 55 profetas da Torá eram mulheres.


O que é um basheret?

Basheret é uma alma gêmea. O Talmud ensina que 40 dias antes do nascimento de uma criança uma voz celestial anuncia que “o filho desta pessoa é destinado para tal pessoa”. Em iídiche, este encontro perfeito entre duas almas é chamado de basheret, uma palavra que significa destino. Porém nossos sábios enfatizam que, mesmo casando com seu basheret, isto não significa que o convívio será um mar de rosas. Casamentos, assim como tudo que vale a pena na vida, requerem dedicação, esforço e energia. Até mesmo quando duas pessoas são feitas uma para a outra, são seus atos que vão determinar se o casamento será um sucesso ou um fracasso. Sim, é possível mesmo para duas almas gêmeas arruinar um casamento. Por existir esta possibilidade o judaísmo permite o divórcio.


O que é Tza'ar baalei chayim?

Tza'ar baalei chayim é um mandamento que nos ordena evitar o sofrimento dos animais. Devemos respeitar seus sentimentos e até suas necessidades. Entre os mandamentos relacionados ao tratamento dos animais estão, entre outros, os seguintes: mesmo os animais devem descansar no Shabat; não se pode abater um animal no mesmo dia que sua prole; deve-se permitir a um animal comer enquanto trabalha; se alguém vê o burro de seu inimigo sofrendo por causa de carga muito pesada é sua obrigação parar para ajudar o animal. Alem disto, os nossos sábios nos ordenam não comer antes de alimentar os animais domésticos.


Por que tomamos quatro copos de vinho na noite do Seder?

O primeiro copo é para o kidush, no qual dizemos “Asher Bahar Banu”, que D’us nos escolheu, ou seja, que devemos unir-nos ao Seu Santo nome por Ele ter nos escolhido como seu povo e sua herança.
O segundo, sobre a Hagadá, depois de contar o relato da saída do Egito e os milagres que D’us nos fez, como está escrito: “Todo aquele que acrescenta explicações sobre o relato e sobre os milagres, é louvado”.
O terceiro, depois da bênção de graças (Bircat Hamazon), é também uma alusão à mesa de nossas refeições, considerada como um altar perante D’us.
O quarto copo é sobre a recitação dos salmos de louvor (Halel) e faz alusão à guerra de Gog e Magog antes da redenção futura total (Haim Lerosh).
Os quatro copos correspondem às quatro letras do nome divino: Yud, He, Vav e He - para indicar que D’us é a origem de nossa liberdade. Os quatro copos simbolizam também as quatro formas com as quais D’us disse que salvaria o povo judeu:

• Vehotzeti – tirar-vos-Ei de sob as cargas dos egípcios;
• Vehitzalti – libertar-vos-Ei da escravidão;
• Vegaalti – redimir-vos-Ei com braço estendido e grandes juízos;
• Velakahti – tomar-vos-Ei como Meu povo e Eu serei vosso D’us.


Por que dividimos a matzá do meio na noite do Seder?

Porque na Hagadá lembramos que este é o pão pobre que comiam nossos antepassados no Egito, e os pobres quase nunca possuem um pão inteiro. Por isso deixamos essa meia matzá. Também para que mais uma vez as crianças, vendo que escondemos uma metade da matzá, perguntem sobre o que acontece nessa noite.

O rabino Chaim Lerosh dá uma outra explicação: cada uma das três matzot representa um patriarca. A primeira, Abraham, que é símbolo da bondade (Hessed). A segunda, Isaac, símbolo da força e do rigor (Guevurá), e a terceira, Jacob, símbolo da glória (Tiferet). Partimos a do meio para dizer que não queremos que D’us nos julgue com força e rigor, mas sim com bondade. Assim sempre passaremos da Midat Hadin (justiça com rigor) para Midat Harahamim (julgamento com piedade).


Por que formulamos quatro perguntas na noite do Seder?

Porque todos os assuntos da noite do Seder são quatro vezes quatro. Quatro filhos, quatro copos de vinho, quatro perguntas e quatro palavras de redenção. Esses conjuntos de quatros correspondem às quatro pessoas que são obrigadas a agradecer a seu Criador – Arbaa, Tserichim Lehodot –, segundo são citados no Mizmor de Pessach, e são os que viajam pelo mar, os que atravessam o deserto, os que são libertados da prisão e o doente, depois de se restabelecer.


O que significa o nome Hagadá?

O nome Hagadá advém da palavra hebraica “Vehigadtá” (“E contarás”), que aparece no capítulo 13 do segundo livro da Torá, o Livro de Shemot (Números): “E contarás ao teu filho naquele dia, dizendo, ‘Faço isso pelo que o Eterno fez comigo quando saí do Egito”. Hagadá significa um relato, uma narração.


Quantas vezes é mencionado o Nome de D'us no Livro ou Rolo de Esther - a Meguilá Esther - que conta a história de Purim?

Nenhuma. O Nome de D’us não é mencionado uma única vez. Na realidade, o Livro de Esther é o único da Torá que nunca menciona o Nome de D’us. Há uma boa razão para esta omissão: em Purim nós celebramos um milagre oculto. Nenhum fenômeno sobrenatural ocorreu, os judeus foram salvos graças a uma série de “coincidências” naturais. Então, da mesma forma que D’us permaneceu oculto durante os eventos de Purim, seu Nome não é mencionado de forma explícita na Meguilá.


Quais são algumas das mitzvot (mandamentos Divinos) da festa de Purim?

A leitura da Meguilá é uma das principais, mas não é a única mitzvá (mandamento Divino) da festa. Em Purim, fazemos doações, em dinheiro, para necessitados e enviamos mishloach manot – alimentos – para pessoas carentes e para amigos. Cada presente de mishloach manot deve incluir, no mínimo, dois tipos diferentes de alimentos prontos para serem consumidos. Em Purim, crianças e jovens se fantasiam, cantam e brincam nas sinagogas, contando e recontando a história referente à data. É uma grande mitzvá se alegrar nesta festa: festejar, fazer uma refeição festiva com carne e, para os adultos, tomar vinho ou outra bebida alcoólica. Purim é considerada a data mais feliz do calendário judaico


O que é bikur cholim?

Bikur Cholim – a mitzvá de visitar os doentes – é um dos mais importantes mandamentos da Torá. O Talmud revela que uma pessoa que visita um doente o ajuda a se recuperar. A visita aos doentes tornou-se uma atividade praticamente institucionalizada nas comunidades judaicas. Há voluntários judeus que visitam pessoas doentes, que precisam de ajuda e companhia, mesmo quando não as conhecem.


O que é o Zohar?

O Zohar, o “Livro do Esplendor”, é a obra fundamental da Cabalá – do misticismo judaico. Foi escrito em Aramaico por Rabi Shimon Bar Yochai, um dos maiores sábios do Talmud. O Zohar é uma obra bastante misteriosa e esotérica e são poucos os estudiosos da Torá que conseguem entender seus ensinamentos.


Qual é o tipo de governo do Estado de Israel?

Israel é uma democracia parlamentarista. O líder do país é o primeiro-ministro. O cargo de presidente é simbólico. O Poder Legislativo israelense é o Knesset, formado por 120 parlamentares. A democracia de Israel é pluralista: o Knesset é constituído por muitos partidos, inclusive árabes, que representam os diversos ideais políticos, religiosos, sociais e culturais da população.


O que é a Lei do Retorno?

Em 1950, o Estado de Israel instituiu a Lei do Retorno. De acordo com esta lei, todo judeu tem o direito de imigrar para Israel. Desde sua fundação, Israel tem ajudado na imigração de milhões de judeus – principalmente aqueles que viviam em países onde sofriam discriminação e perseguição religiosa.


Quem foi Noé?

Noé foi o homem justo de sua geração, pois teve um comportamento correto apesar da corrupção e das iniqüidades de seus contemporâneos. D’us ordenou que Noé construísse uma arca para que ele e sua família fossem salvos do Grande Dilúvio que destruiria todos os habitantes da Terra. Seguindo as ordens Divinas, Noé trouxe para a Arca sete pares de animais que são aptos para serem sacrificados (animais que podem ser casher) e um par de todas as outras espécies. D’us inundou a Terra, eliminando todas as pessoas e animais da Terra; apenas Noé, sua família e os animais na Arca se salvaram.


Como foi que o patriarca Issac conheceu sua esposa, Rebecca?

Abraão, o primeiro patriarca do povo judeu, enviou seu servo, Eliezer, à Mesopotâmia (hoje, Iraque) para encontrar uma esposa para seu filho, Isaac. Eliezer soube que havia encontrado a menina certa quando Rebecca generosamente ofereceu água aos seus camelos. Rebecca tornou-se esposa de Isaac e o casal teve dois filhos: Jacob e Esaú. Esaú era o primogênito, mas vendeu a sua primogenitura ao seu irmão. Foi Jacob que recebeu as bênçãos de seu pai e se tornou o terceiro e último patriarca do povo judeu.