Morashá

CARTA AO LEITOR:
ANO X N.37 JUNHO 2002

A sobrevivência do povo judeu é um dos mistérios da civilização humana. Através dos milênios, continuamos a existir como povo a despeito das contínuas expulsões e tentativas de extermínio. Em cada geração, inclusive a nossa, enfrentamos inimigos. Sobrevivemos a vários Impérios da antigüidade, à Inquisição, aos pogroms e ao Holocausto.

Se é um mistério compreender como nos mantivemos como povo, mistério ainda maior é o fato de termos sobrevivido a uma história tão dura e ainda podermos continuar a viver com otimismo e idealismo, empenhados em fazer deste um mundo melhor para todos: judeus e não judeus.

Apesar de nossa história, entrecortada por períodos sombrios, continuamos a ser um povo idealista que anseia e luta por um futuro melhor. Em essência, somos imbuídos da esperança de um amanhã melhor para nós e para toda a humanidade.

Será que somos muito inocentes? Será que não avaliamos corretamente o sentimento anti-judaico? Será que nossa fé em D’us é tão extraordinariamente forte para desafiar todo o sofrimento a nós infringido, durante séculos, parecendo indicar que o ódio pode persistir e triunfar? O renomado Rabino Marc Angel, da Sinagoga Hispano-portuguesa de Nova York, faz estas perguntas a si próprio e conclui, sabiamente, que desconhece a resposta a esse enigma, mas sente-se orgulhoso de ser parte do problema.

Se não fomos derrotados durante séculos de perseguição, calúnia e propaganda maldosa, não será hoje que nosso povo se deixará abater, deixando triunfar aqueles que nos querem mal.

Os últimos meses têm sido muito duros para Israel e para o povo judeu. Por todos os lados vemos violência e uma forte campanha anti-judaica. No entanto, em meio a essa difícil situação, algo voltou a ficar evidente: a união de todos os judeus, mundo afora, entre a diáspora e Israel e entre todas as correntes do judaísmo. É isto o que nos sustenta e mantém erguidos e confiantes de que esse almejado futuro existe à nossa frente. Em todas as partes, assistimos demonstrações de solidariedade a Israel organizadas pela liderança judaica. “Formou-se uma coalizão mundial de judeus e pessoas conscientes que nos apóiam”, declarou o presidente da Agência Judaica, Sallai Meridor. As manifestações pró Israel reuniram mais de 100 mil pessoas, em Washington, e dezenas de milhares de outros norte-americanos, em todo o país. Também na Austrália, Japão, Canadá, Chile e em vários países da Europa, a voz da solidariedade se fez ouvir. A comunidade judaica do Brasil também manifestou o seu amor pela paz, deixando claro o seu mais profundo sentimento de que Am Israel, Am Echad – o povo judeu é um só povo.

O desafio à nossa frente, hoje e sempre, é permanecermos um povo forte e unido, lembrando-nos sempre de que nossa desunião, no passado histórico, levou-nos à queda do povo judeu. Somos um povo judeu único, indivisível e unido, pois ...

...acima de todas as diferenças que nos separam, somos filhos de Abrahão, Isaac e Jacob. Somos todos membros de uma única família, com uma única terra e um único destino ...

LEIA A CARTA NA ÍNTEGRA...

CARTA AO LEITOR:
ANO X N.37 JUNHO 2002

A sobrevivência do povo judeu é um dos mistérios da civilização humana. Através dos milênios, continuamos a existir como povo a despeito das contínuas expulsões e tentativas de extermínio. Em cada geração, inclusive a nossa, enfrentamos inimigos. Sobrevivemos a vários Impérios da antigüidade, à Inquisição, aos pogroms e ao Holocausto.

Se é um mistério compreender como nos mantivemos como povo, mistério ainda maior é o fato de termos sobrevivido a uma história tão dura e ainda podermos continuar a viver com otimismo e idealismo, empenhados em fazer deste um mundo melhor para todos: judeus e não judeus.

Apesar de nossa história, entrecortada por períodos sombrios, continuamos a ser um povo idealista que anseia e luta por um futuro melhor. Em essência, somos imbuídos da esperança de um amanhã melhor para nós e para toda a humanidade.

Será que somos muito inocentes? Será que não avaliamos corretamente o sentimento anti-judaico? Será que nossa fé em D’us é tão extraordinariamente forte para desafiar todo o sofrimento a nós infringido, durante séculos, parecendo indicar que o ódio pode persistir e triunfar? O renomado Rabino Marc Angel, da Sinagoga Hispano-portuguesa de Nova York, faz estas perguntas a si próprio e conclui, sabiamente, que desconhece a resposta a esse enigma, mas sente-se orgulhoso de ser parte do problema.

Se não fomos derrotados durante séculos de perseguição, calúnia e propaganda maldosa, não será hoje que nosso povo se deixará abater, deixando triunfar aqueles que nos querem mal.

Os últimos meses têm sido muito duros para Israel e para o povo judeu. Por todos os lados vemos violência e uma forte campanha anti-judaica. No entanto, em meio a essa difícil situação, algo voltou a ficar evidente: a união de todos os judeus, mundo afora, entre a diáspora e Israel e entre todas as correntes do judaísmo. É isto o que nos sustenta e mantém erguidos e confiantes de que esse almejado futuro existe à nossa frente. Em todas as partes, assistimos demonstrações de solidariedade a Israel organizadas pela liderança judaica. “Formou-se uma coalizão mundial de judeus e pessoas conscientes que nos apóiam”, declarou o presidente da Agência Judaica, Sallai Meridor. As manifestações pró Israel reuniram mais de 100 mil pessoas, em Washington, e dezenas de milhares de outros norte-americanos, em todo o país. Também na Austrália, Japão, Canadá, Chile e em vários países da Europa, a voz da solidariedade se fez ouvir. A comunidade judaica do Brasil também manifestou o seu amor pela paz, deixando claro o seu mais profundo sentimento de que Am Israel, Am Echad – o povo judeu é um só povo.

O desafio à nossa frente, hoje e sempre, é permanecermos um povo forte e unido, lembrando-nos sempre de que nossa desunião, no passado histórico, levou-nos à queda do povo judeu. Somos um povo judeu único, indivisível e unido, pois ...

...acima de todas as diferenças que nos separam, somos filhos de Abrahão, Isaac e Jacob. Somos todos membros de uma única família, com uma única terra e um único destino ...


ANTISSEMITISMO

MEDÉIA, A MÃE

MEDÉIA, A MÃE

A Europa arcará com uma responsabilidade moral por muitas e muitas gerações futuras.

Edição 37 - Junho de 2002

ANTISSEMITISMO

EXISTE ALGO DE NOVO NO AR?

EXISTE ALGO DE NOVO NO AR?

Diante dos últimos acontecimentos, fica cada vez mais perceptível que a discussão sobre os conceitos de tolerância e intolerância está na ordem do dia deste novo século.

Edição 37 - Junho de 2002

ISRAEL HOJE

A MULHER HAREDI

A MULHER HAREDI

Nos últimos anos, vem crescendo, em Israel, a tendência para estudos seculares superiores destinados a preparar mulheres haredi, que seguem rigorosamente a tradição e os preceitos judaicos, a atuar como profissionais.

Edição 37 - Junho de 2002

HOLOCAUSTO

DEBATE: HERÓIS OU NÃO?

DEBATE: HERÓIS OU NÃO?

Judeus que salvaram judeus das garras do nazismo também podem ser considerados heróis, com direito às mesmas honrarias concedidas aos não judeus que arriscaram suas vidas para salvar vítimas dos algozes de Hitler?

Edição 37 - Junho de 2002

HOLOCAUSTO

HOCHSCHILD

HOCHSCHILD

Utilizando a estrutura das suas empresas de mineração instaladas no continente sul-americano, Moritz Hochschild ajudou a salvar judeus alemães das garras do nazismo antes mesmo da eclosão da Segunda Guerra Mundial.

Edição 37 - Junho de 2002

COMUNIDADES DA DIÁSPORA

UMA VIAGEM ATRAVÉS DAS SINAGOGAS DA FRANÇA

UMA VIAGEM ATRAVÉS DAS SINAGOGAS DA FRANÇA

Mesmo em sua hora mais negra, no exílio, os judeus encontram a Presença Divina em suas sinagogas e casas de estudos. 'Assim diz o Senhor, D’us de Israel: Ainda que os tenha lançado para longe entre as nações, e ainda que os tenha espalhado pelas terras, todavia Eu lhes servirei de santuário, por um pouco de tempo, nas terras para onde foram'. (Ezequiel 11: 16)

Edição 37 - Junho de 2002

BRASIL

PRIMEIRA SINAGOGA

PRIMEIRA SINAGOGA

Após dois anos em restauração, em projeto que mobilizou o Ministério da Cultura, o governo de Pernambuco, a prefeitura de Recife, a Confederação Israelita Brasileira, a Federação Israelita de Pernambuco e a Fundação Safra.

Edição 37 - Junho de 2002

BRASIL

A MARCHA PELA PAZ

A MARCHA PELA PAZ

Cerca de nove mil pessoas participaram do ato pela Paz, contra o terror e o anti-semitismo, promovido pela Federação Israelita do Estado de São Paulo (Fisesp) e pela Confederação Israelita do Brasil (Conib), no dia 21 de abril último.

Edição 37 - Junho de 2002

BRASIL

TEN YAD, 10 ANOS ALIMENTANDO COM DIGNIDADE

TEN YAD, 10 ANOS ALIMENTANDO COM DIGNIDADE

Em 1992, há exatamente dez anos atrás, sensibilizados por mais uma grave crise econômica que assolava o pais, deixando muitas famíliase lares sem mínimas condições de vida, um grupo de amigos se reuniu para comemorar o aniversário do Rebe de Lubavitch com um presente muito especial: o Ten Yad.

Edição 37 - Junho de 2002

SHABAT

HAVDALÁ, A CERIMÔNIA DO FIM DO SHABAT

HAVDALÁ, A CERIMÔNIA DO FIM DO SHABAT

“Abençoado sejas Tu, ó Senhor nosso D’us, Rei do Universo, que distingues entre o sagrado e o profano, entre a luz e a escuridão, entre Israel e as nações, e entre o sétimo dia e os outros seis dias de trabalho”.

Edição 37 - Junho de 2002

LEIS, COSTUMES E TRADIÇÕES

A SINAGOGA

A SINAGOGA

“E me farão um Santuário, para que Eu possa habitar no meio deles”. (Êxodo 25:8).

Edição 37 - Junho de 2002

CRÔNICAS E CONTOS

MILAGRE EM OHIO

MILAGRE EM OHIO

Há algumas décadas, Lilian Miller era uma jovem ativa, espirituosa e corajosa, que adorava dirigir seu carro por longos percursos, não se cansava facilmente e apreciava qualquer oportunidade de realizar uma boa ação.

Edição 37 - Junho de 2002

BIOGRAFIAS

WIESENTHAL, A VIDA DEDICADA A UMA CAUSA

WIESENTHAL, A VIDA DEDICADA A UMA CAUSA

Uma das personalidades mais importantes de nosso tempo, Simon Wiesenthal dedicou sua vida a documentar com tenacidade e persistência os crimes do Holocausto e a desmascarar e entregar à justiça os criminosos de guerra ainda livres.

Edição 37 - Junho de 2002

ARTE E CULTURA

TRADIÇÕES MÁGICAS DOS JUDEUS OTOMANOS

TRADIÇÕES MÁGICAS DOS JUDEUS OTOMANOS

O artigo mostra alguns hábitos e superstições dos judeus otomanos. Estas crenças fazem parte de uma “tradição mágica” comum às comunidades judaicas do Império Otomano. Este estudo não reflete todos os aspectos destas crenças e muitas estão fadadas ao desaparecimento.

Edição 37 - Junho de 2002

SABEDORIA JUDAICA

UM CONTO SOBRE OS DEZ ESPIÕES

UM CONTO SOBRE OS DEZ ESPIÕES

Trata-se de um dos relatos da Torá que mais perplexos nos deixam. Pouco antes de o povo judeu adentrar a Terra Prometida, Moisés enviou 12 homens – um representante de cada uma das tribos de Israel – para espiar a Terra,...“e vereis a terra, que tal é; e o povo que nela habita, se é forte ou fraco, se são poucos ou numerosos”.

Edição 37 - Junho de 2002

SABEDORIA JUDAICA

SERÁ QUE O JUDAÍSMO TEM VIGOR NO MUNDO?

SERÁ QUE O JUDAÍSMO TEM VIGOR NO MUNDO?

Vivemos em um mundo paradoxal. Por um lado, as revoluções científico-tecnológicas mudaram totalmente as possibilidades do gênero humano quanto à questão produtiva.

Edição 37 - Junho de 2002

HISTÓRIA DE ISRAEL

SIPPORIS

SIPPORIS

“Sipporis (em hebraico Tzipori ) era um ponto de encontro de rabinos e sábios. No entanto, apenas uma sinagoga foi descoberta na região, até hoje. Muitas perguntas estão ainda sem resposta...”.

Edição 37 - Junho de 2002

CIÊNCIAS

DONA DE CASA GANHA PRÊMIO NOBEL

DONA DE CASA GANHA PRÊMIO NOBEL

Rosalyn Sussman Yalow foi a primeira americana a receber o Prêmio Nobel de Ciências, em 1977. Nascida e criada em Nova York, no seio de uma tradicional família judaica, tornou-se um dos nomes mais respeitados no campo da Física Nuclear, desde o final da década de 1970.

Edição 37 - Junho de 2002

PROFETAS E SÁBIOS

ABRAÃO, NOSSO PATRIARCA

ABRAÃO, NOSSO PATRIARCA

Nossos sábios ensinam:
“Cinco bens de Seu mundo, adotou especialmente para Si o Eterno, abençoado seja Ele.
São esses: a Torá, o céu e a terra, Abraão, Israel e o Santuário Sagrado”
(Ética dos Pais 6:10).

Edição 37 - Junho de 2002