Morashá
Bircat Hachamá - A Bênção do Sol Foto Ilustrativa

Bircat Hachamá - A Bênção do Sol

De acordo com o Talmud (Tratado Berachot, pg. 59b), a cada 28 anos o sol completa um ciclo e volta ao lugar que ocupava quando foi criado por D-us, no quarto dia da Criação. Esse fenômeno ocorrerá neste ano, numa quarta-feira, no dia 8 de abril.

Edição 64 - Abril de 2009


De acordo com o Talmud (Tratado Berachot, pg. 59b), a cada 28 anos o sol completa um ciclo e volta ao lugar que ocupava quando foi criado por D'us, no quarto dia da Criação. Esse fenômeno ocorrerá neste ano, numa quarta-feira, no dia 8 de abril (ver Morashá edição 63, dezembro de 2008). Nossos Sábios pediram para que nessa data seja reunido o maior número possível de pessoas, amigos e familiares, nas sinagogas, para que juntos recitem a Bênção do Sol:

"Baruch Ata Ado-nai Elo-hei-nu Melech HaOlam Ossê Maassê Bereshit".

"Bendito és Tu, Senhor nosso D'us, que renova os atos da Criação".

A recitação dessa bênção é uma das mitzvot (mandamentos Divinos) mais raras de ser cumpridas, já que ocorre somente a cada 28 anos. Que nesta data tão singular de nosso calendário, possamos, através do cumprimento dessa mitzvá, iluminar o mundo que nos rodeia, trazendo paz e alegria aos seres humanos e apressando a chegada de Mashiach, brevemente em nossos dias.

O sentido da Sefirat HaOmer

A Contagem do Omer dura 49 dias. O mandamento da Contagem do Omer (Sefirat HaOmer) tem vários propósitos, um deles sendo ligar a festa de Pessach à de Shavuot. A Contagem do Omer começa na segunda noite de Pessach - após a reza da noite (Arvit), antes do Seder. Se alguém se esquecer de contar o Omer à noite, poderá fazê-lo no dia seguinte, mas sem recitar a berachá (bênção) associada a essa mitzvá. Este ano, a Contagem do Omer se iniciará na noite do dia 9 de abril. Ao final dos 49 dias da Contagem, é celebrada a festa de Shavuot, que comemora a outorga da Torá, sendo o ponto culminante da libertação física e espiritual do povo judeu. A Contagem do Omer tem profundo significado místico, mas também nos ensina várias lições de vida.

Quando se faz uma contagem ou medição, é para assegurar que certa quantidade variável corresponde a um determinado número ou medida exata. Contar os dias do Omer parece não ter um propósito prático, pois o tempo é algo que está além do controle e da influência humana. Sabemos que o tempo avança independentemente do homem. Não se pode acrescentar nada aos 60 minutos compreendidos em uma hora ou às 24 horas que constituem um dia. Porém, cabe ao homem preencher o tempo que lhe é dado de forma proveitosa. A mesma unidade de tempo pode significar muito para alguns e quase nada para outros. Em termos relativos, o tempo é medido conforme é utilizado.

É aí que se encontra um dos sentidos especiais da contagem dos dias até o recebimento da Torá, cuja "medida é mais longa que a Terra e mais larga que o oceano". A Torá contém a infinita Sabedoria de D'us. Ao mesmo tempo, ela foi dada ao homem, que é finito, e cuja expectativa de vida é limitada. Como pode um ser limitado apreciar um presente eterno?

Para preparar o homem para receber a Torá, D'us ordenou que se contassem os dias até a sua outorga. Esta foi uma forma de ensinar ao ser humano a excepcional dimensão do tempo. Quando um homem estuda a Torá ou cumpre seus mandamentos, ele cria um vínculo com um Ser Infinito. Portanto, seu ato se torna eterno e sua vida passa a ter um significado imensurável. Apesar de o tempo ser praticamente fixo e imutável, se o homem o medir em função de suas realizações no domínio da Torá e dos seus mandamentos, que são eternos, é possível transformar o tempo, que