Morashá
Mulheres judias que marcaram época Foto Ilustrativa

Mulheres judias que marcaram época

As dispersões dos judeus por diferenciados espaços geográficos produziram um povo que, embora identificado pela fé e tradições religiosas - (interiorizadas antes das diásporas e preservadas nas terras onde se instalaram) -, apresenta-se hoje com valores, costumes e idiomas diferenciados.No conjunto, a maioria é constituída pelos asquenazis que se identificam, em geral pelo iídiche, seguidos pelos sefaradis que falam o ladino e, os judeus orientais o árabe.

Edição 46 - Setembro de 2004


As dispersões dos judeus por diferenciados espaços geográficos produziram um povo que, embora identificado pela fé e tradições religiosas - (interiorizadas antes das diásporas e preservadas nas terras onde se instalaram) -, apresenta-se hoje com valores, costumes e idiomas diferenciados.No conjunto, a maioria é constituída pelos asquenazis que se identificam, em geral pelo iídiche, seguidos pelos sefaradis que falam o ladino e, os judeus orientais o árabe.

Além da fé e das tradições, outro fator de identificação judaica é a participação em uma comunidade, onde os fiéis apresentam, no geral, uma origem geográfica comum.Via de regra, os rituais iniciados nas sinagogas têm continuidade em família e são expressos de forma didática, pois dirigidos às crianças, cabendo às mães papel fundamental. Não necessitando de templos, nem de sacerdotes para a prática religiosa, a família tradicional foi e é, pois, principal responsável pela transmissão da fé, dos valores e da identidade judaica. Iniciada a partir do nascimento, a herança religiosa se institui no mental como fenômeno natural.

Os textos sagrados do judaísmo atribuem à mulher papel fundamental. No Gênesis, D'us ordenou a Abrahão dar atenção a tudo que lhe disser Sara e, em Reis, Salomão afirmou que "a sabedoria das mulheres edifica os lares". Os mestres talmúdicos recomendavam aos homens "honrar suas esposas se quiserem enriquecer" e, foi, segundo o Midrash, pelo mérito das mulheres justas que nossos antepassados foram redimidos do Egito. Na região da Provença, em meados do século XII, Rabi Yehuda Ibn Tibon, no seu "Testamento ético", afirmou que o "homem deve honrar a mulher e não exercer sobre ela autoridade severa e quando se dirigir a ela, usar palavras suaves quer dando ordens, quer desaprovando-a".

Vivendo, por longo tempo na Península Ibérica - Sefarad - os judeus dedicaram-se, além dos estudos laicos, aos religiosos. A expressividade desses estudos medievais levou historiadores a designar o período como áureo no judaísmo. A Reconquista,concretizada no século XV, levou à expulsão de árabes e judeus da Espanha de 1492, pelos reis católicos Fernando e Izabel. Os que se transferiram para Portugal sofreram golpe maior, ou seja, a conversão forçada de 1497.

A instalação de Tribunais da Inquisição na Península levou a que os cristãos novos - descendentes dos judeus ibéricos - fossem perseguidos como "judaizantes", isto é, praticantes secretos da religião ancestral.Os inquisidores tinham profunda convicção de que as mulheres eram os hereges mais perigosos, verdadeiras responsáveis pela transmissão do judaísmo. Uma vez que a sinagoga, a escola e os estudos religiosos foram banidos de Portugal, a casa tornara se o local onde o judaísmo ou sua memória poderia ser preservado.Os conversos, especialmente os que ainda se lembravam das tradições judaicas, mantinham-se publicamente católicos, conquanto em seus lares rememoravam algumas das tradições judaicas.

Na realidade, as práticas religiosas que permaneceram eram as de domínio doméstico: o Shabat ou resguardo do descanso semanal, os costumes alimentares, de higiene, da purificação e as celebrações festivas comemoradas dentro de casa, "portas a dentro". O cripto-judaísmo definido pela Carta Monitória - registro oficial das práticas heréticas, era divulgado em todas as igrejas dos bispados do reino e do império colonial luso.

No Brasil, assim que se iniciou a exploração da cana de açúcar, Pernambuco se destacou na produção pela fertilidade de suas terras. Um dos principais "senhores de engenho "foi o cristão novo, Diogo Fernandes, primeiro donatário da capitania. Sua esposa, Branca Dias,1 pode ser considerada a primeira mulher do novo mundo a praticar "esnoga" e cultuar a "Toura" em seu engenho de Camaragibe. Era originária de Portugal, Viana de Castela, e casou-se em 1520 com Diogo Fernandes,"homem de negócios". O marido decidiu, poucos anos depois, instalar-se no Brasil, deixando a família em Portugal. Denunciada pela irmã e mãe, Branca viu-se envolvida com o recém criado Tribunal da Inquisição. Embora a sentença de1545 a impedisse de sair do reino,a cristã nova tomou a decisão de embarcar com os filhos ao Brasil e juntar-se ao marido que ocupava em Pernambuco excelente posição, em vista da amizade com Duarte Coelho,donatário da capitania.

A liberdade sentida na terra nova permitia a Branca e demais povoadores da mesma origem a prática das tradições familiares.Quando Diogo faleceu, Branca passou a administrar o engenho,responsabilizando-se pela numerosa família. Decidiu transferir-se para Olinda, dedicando-se ao ensino de prendas domésticas às moças da capitania 2 . Faleceu entre 1588-99.

Quando da 1a. Visitação do Santo Ofício às partes do Brasil no segundo decênio do século XVII, seus filhos,netos e alunas a denunciaram por práticas "judaizantes". Como a mãe , avó e mestra havia falecido antes da abertura de processo, os agentes inquisitoriais, seguindo formais recomendações, enviaram seus restos mortais a Lisboa onde foram queimados num Auto de Fé, na terceira década do século XVII.

A população do Rio de Janeiro, na primeira metade do século XVIII,era composta por 30% de cristãos novos. A pesquisa realizada pela historiadora Lina G. Ferreira da Silva identificou 167 mulheres cristãs novas, presas na cidade por agentes do Tribunal do Santo Ofício da Inquisição. Todas foram acusadas de "judaizantes" e encaminhadas a Lisboa para responder processos.Descendentes de antigos judeus convertidos à força ao cristianismo, em Portugal, sob ordens do rei D.Manuel, após mais de 200 anos, já não eram mais "novas" cristãs, segundo designação da historiadora citada acima.

Oprimidas como mulheres e cristãs novas, as 167 detidas, apesar de a assistir a dispersão familiar e a perda dos bens, desenvolveram estratégias de resistência, expressando de várias maneiras sua crítica à intolerância religiosa3: de imediato, declararam-se culpadas e praticantes da heresia judaica. Embora, um dos principais atributos do judaísmo era o conhecimento das orações, somente poucas confessaram conhecê-las. A maioria das suspeitas desconhecia a história bíblica, poucas conheciam a passagem do Êxodo ou celebravam o " Pessach". Jamais supondo que fossem inocentes, os inquisidores condenaram todas as cristãs novas do Rio de Janeiro com a penade "Cárcere e Hábito Penitencial Perpétuos", pena que restringia a saída do reino e o definitivo uso do sambenito, veste estigmatizante que marcava por toda a vida o converso na sociedade portuguesa.

Uma outra mulher que nos chama a atenção, já na era contemporânea, é Emma Lazarus. Nascida em Nova York no ano de1849, filha de Moses e Esther Nathan Lazarus, Emma pertencia à 4a geração de uma antiga família judaica dos Estados Unidos, terra que abriu suas portas imigrantes de todos os continentes.Desde cedo, foi ativa participante do movimento literário americano.Pode-se dizer que seu preparo fez dela participante da elite cultural,pois regularmente publicava em jornais e revistas artigos sobre música, arte, literatura e história.Interessou-se particularmente sobre a História e Cultura Judaica e contava entre seus leitores, judeus e não judeus.

Em viagens ao exterior, a escritora sefaradi presenciou a miséria e o sofrimento dos judeus da Rússia e da então Palestina.os conflitos regionais e locais levaram ao recrudescimento do anti-semitismo e emperramento da beneficência judaica internacional. Emma procurou ajudar os que conseguiram emigrar, buscando inseri-los na sociedade americana.Com a idade de 25 anos, produziu um poema que a imortalizou na História: o "Novo Colosso". A poesia era dedicada à Estátua da Liberdade, erguida em 1886: a "Lady Liberty ", presente da França aos americanos. Emma não viveu o bastante para compreender o impacto que seu poema, escrito no pedestal, tem provocado na terra da liberdade e esperança. A Estátua da Liberdade é hoje símbolo da Cultura Americana e da Liberdade.O poema está assim expresso:

"Dá me essa massa de gente cansada e pobre que se amontoa na ânsia de respirar liberdade. A recusa infame da costa apinhada, enviai-me os desabrigados, os abatidos pelas tempestades, pois eu ergo a minha chama junto à porta dourada !

Uma preocupação básica sempre presente em qualquer comunidade judaica é a beneficência. A Tzedacá , prescrita nos livros sagrados,tem um sentido mais amplo que o termo caridade, muitas vezes utilizado para traduzi-la.

A beneficência da comunidade sefaradi de São Paulo foi marcada pela presença de Céline Levy, esposa de Sylvain Levy, de origem alsaciana que, em 1919, havia chegado ao Rio de Janeiro procedente da França. Ao se transferir, no mesmo ano, para São Paulo, Levy ligou-se a negócios de exportação e corretagem de açúcar.Guardando as tradições religiosas e culturais judaicas, os Levy,bem posicionados na sociedade paulistana, identificaram-se com sefaradi, especialmente pelo francês .

Céline, Ort de solteira , de origem asquenazi, além do francês,entendia o alemão. Abastados, os Levy atendiam as necessidades financeiras da primeira sinagoga sefaradi erguida em São Paulo.As amizades que mantinham em sociedade permitiram a canalização de recursos de empresários paulistanos às obras e trabalhos beneficentes de Céline Levy. Modesta, altruísta na ajuda direta aos que precisavam, visitando doentes, levando-lhes carinho e atenção, Céline tornou-se conhecida por toda a comunidade judaica de São Paulo da década de 30. Sua elegante presença era solicitada em cerimônias e festividades judaicas da cidade. Acompanhada por diretores como Elias Elba, Céline Levy passou a representar os sefaradis em cerimônias públicas da coletividade.Para angariar fundos, promovia chás em salões elegantes, acompanhados por saraus literários, artísticos e musicais, atendendo à programação do Centro Israelita Lítero-Musical Brasileiro Amadeu Toledano, o CIBAT, fundado em 1933.

Um fato marcou Céline Levy na comunidade judaica paulistana.Encarregou-se em recepcionar imigrantes asquenazis que chegavam da Alemanha nazista,a partir dos anos 30. O grupo era constituído por profissionais liberais e homens de negócios, pertencentes às classes média e alta. A maioria, não falando o iídiche, contou com Céline para intérprete. Percebendo a dificuldade destes refugiados nas sinagogas asquenazis, de linha conservadora, Céline providenciou o salão da Sinagoga da Abolição para os primeiros serviços religiosos,oficiados pelo Rabino Fritz Pinkuss em São Paulo e outro, aos líderes religiosos conservadores.Despreocupada com as origens culturais, com os matizes e as diretrizes filosóficas dos imigrantes,trabalhou para aproximar os rabinos Fritz Pinkuss e Jacob Mazaltov,então responsável pela condução religiosa da Sinagoga Israelita Brasileira do Rito Português.

Em 1934, Céline fez parte da Comissão de Assistência aos Refugiados Israelitas da Alemanha(CARIA), ocupando a convite de Pinkus a diretoria da Comissão Feminina da Assistência Social,ao preocupar-se com as mulheres imigrantes recém-chegadas. Dava-lhes orientação no trabalho, instrução e as ajudando na organização das atividades domésticas. Alertavaas sobre os costumes brasileiros,esclarecendo às mais jovens sobre profissões escolhidas(5).

A partir do trabalho voluntário de Mme Levy, fundaram-se instituições filantrópicas como o Hospital Israelita Albert Einstein e o Lar dos Velhos, hoje, Golda Meir,para onde Céline, aos 67 anos,transferiu-se para melhor ajudar aos mais idosos.

1 Os documentos inquisitoriais remetem-nos a personalidades de mesmo nome, Branca Dias: a de Camaragibe, a de Apipucos e a da Paraíba. Esta última inspirou Dias Gomes em "O Santo Inquérito", em 1987. Sua vida foi estudada pelos historiadores Antonio Gonçalves de Mello e Evaldo Cabral de Mello.

2 Branca pode ser considerada a primeira mestra laica do Brasil.

3 Assim que o interrogatório se iniciava,confessavam tudo (mesmo inverdades), para se ver mais rapidamente livres da tortura e da prisão.

4 O termo em hebraico explicita o ato de justiçada beneficência, antecipando o auxílio para que o necessitado não tenha que pedi-lo.

5 PINKUSS, Fritz. Estudar, Ensinar, Ajudar: Seis décadas de um rabino em dois continentes.Livraria Cultura, 1989. pág. 51.