Morashá
Livros Foto Ilustrativa

Livros

Sinagoga Bait lança tradução do Chumash interpolado com os comentários de Rashi.

Edição 86 - Dezembro de 2014


Sinagoga Bait lança tradução do Chumash interpolado com os comentários de Rashi

A Sinagoga Bait lançou uma nova tradução do Chumash , os Cinco Livros da Torá acompanhada das explicações do clássico comentarista Rashi conforme interpretadas pelo Rebe de Lubavitch. Por meio das ricas e profundas  explicações e elucidações do Rebe, os comentários de Rashi sobre a Torá  se tornam acessíveis mesmo àqueles que nunca antes estudaram a Torá.  Nessa nova tradução da Torá, os comentários de Rashi estão interpolados no próprio texto. Isso proporciona uma leitura fluente, facilitando o entendimento tanto do texto quanto dos comentários.

Ao longo da história judaica, muitos Sábios e místicos escreveram comentários sobre o os Cinco Livros da Torá mas nenhum alcançou a importância e imortalidade de Rashi. De fato, até hoje, é raro alguém estudar o Chumash sem consultá-los.  Desde que Rashi publicou seus comentários, praticamente todos os Chumashim os trazem impressos. Estes se tornaram inseparáveis do Texto sagrado: não se estuda simplesmente a Torá; estuda-se a Torá com Rashi.  

Os comentários de Rashi foram traduzidos para várias línguas. Contudo, uma mera tradução de sua obra não é o suficiente, pois,  por sua vez, estas exigem  explicações para que sejam devidamente compreendidos.

A nova tradução do Chumash realizada pela sinagoga Bait – um projeto que envolveu uma logística complexa entre equipes localizadas em diversos países – é a primeira obra a tornar os comentários de Rashi acessíveis aos leitores de língua portuguesa.

A primeira edição da obra foi dividida em cinco livros, que correspondem aos Cinco Livros da Torá. Já foram impressos os primeiros dois volumes, Gênesis e Êxodo. Os outros três serão lançados em breve. A tradução foi feita por Claudia Malbergier Caon e o  coordenador editorial foi o Rabino Aron Meir Shloush.

Informações no site http://www.bait.org.br/,
pelo email bait@bait.org.br ou pelo telefone  011.3663.2838.

Boas pessoas
Nir Baran
Editora Alfaguara / Objetiva

Boas Pessoas, de autoria do israelense Nir Baram e lançado em março de 2014 no Brasil pela editora Alfaguara/Objetiva, é um romance sobre culpa e moral situado na Europa durante a 2ª Guerra Mundial. Num dos momentos mais terríveis da história, enfrentando as dúvidas morais num mundo que desmorona, os protagonistas Thomas e Aleksandra decidem sobreviver a qualquer preço. Thomas Heiselberg, forçado a abandonar sua carreira de publicitário, colocara seus talentos a serviço dos nazistas. Aleksandra Vaisberg, filha de intelectuais judeus, após ver seus pais serem condenados pelos soviéticos como “inimigos do povo”, sabe que, para salvar seus irmãos, precisa se aliar ao regime . Às vésperas da invasão da ex-União Soviética pelos alemães, os dois arquitetam um elaborado plano que pode marcar o rumo de suas vidas, e mudar o curso da história. Boas Pessoas tem tradução de Nancy Rozenchan.

Nir Baram nasceu em Jerusalém em 1976. Logo após servir nas Forças de Defesa de Israel, publicou seu primeiro romance, Purple Love Story, que foi recebido com entusiasmo pela crítica e pelos leitores de sua geração. Como colaborador do jornal israelense Maariv, o autor escreve sobre política, crítica literária e análise cultural. Ele também edita uma série de livros de não ficção e outra de clássicos. Baran esteve em novembro no Brasil para participar da Feira do Livro de POA e de um colóquio de Linguagens do Oriente, organizado pela USP e lançar seu livro no Instituto Goethe.

Dez mitos sobre os judeus
Maria Luiza Tucci Carneiro
Ateliê Editorial

Fantasma de impressionante resiliência, o antissemitismo atravessa séculos e desafia os esforços contra uma das mais longevas versões de racismo. Assim como em outras formas de preconceitos atrasados e medievais, dirigidos a variados grupos étnicos, religiosos ou de outra natureza, o sentimento antijudaico se assenta sobre mitos e sua perpetuação, fenômeno abordado de forma densa e clara neste livro. Estudiosa de diversas minorias, a historiadora Maria Luiza Tucci Carneiro oferece um estudo de relevância ímpar. Com precisão cirúrgica, destrincha raízes do antissemitismo e, mais importante, expõe os preconceitos à luz do mundo contemporâneo. (Jaime Spitzcovsky)

Tucci Carneiro é uma historiadora, com graduação e  pós-graduação em História pela USP. Tanto no Mestrado como no Doutorado tem o racismo como objeto de estudo. Tucci Carneiro desenvolve pesquisas sobre a questão dos direitos humanos, intolerância, anti-semitismo, etnicidade, escravidão, censura, nazismo e imigração judaica para o Brasil.