Morashá
A HISTÓRIA DE BERURIÁ Coluna decorada da Sinagoga de Ostia perto de Roma

A HISTÓRIA DE BERURIÁ

Beruriá foi a mais destacada figura feminina de todo o período talmúdico. Única mulher reconhecida pelo Talmud como erudita na Torá, era filha de Rabi Hananiá Ben Teradion, um dos maiores sábios de seu tempo ...

Edição 26 - Dezembro de 1999


Beruriá foi esposa do grande sábio, Rabi Meir Baal Ha-Ness, que, em várias
ocasiões registradas no Talmud, ouviu os conselhos da esposa. Rabi Meir foi o maior erudito de seu tempo. Discípulo de Rabi Akiva, era considerado um homem sábio e vários milagres lhe são atribuídos. Até hoje, quando enfrentam situações difíceis, os judeus sefaraditas costumam fazer tzedacá para elevação da alma de Rabi Meir.

Com a destruição do Segundo Templo (no ano 70 da era comum), o local no qual os Filhos de Israel expiavam seus pecados, viu o centro de suas orações, festivais e peregrinações encontrava-se arrasado. Iniciava-se, então, um novo período no judaísmo. Sua sobrevivência não dependia mais de um lugar físico, por mais sagrado que fosse, mas sim da Palavra e da Lei de D'us, ou seja, da Torá. Esta os judeus poderiam levá-la em seu coração e em sua mente onde quer que estivessem. Seu estudo tornou-se o centro da vida e da sobrevivência judaica.

Numa época em que as mulheres normalmente não estudavam Torá, já que ensiná-la aos filhos era obrigação dos pais e não havia referências sobre como transmiti-la a suas filhas, Beruriá lia e estudava com afinco. Ela vinha de uma família de estudiosos da Torá e possuía uma mente brilhante e adquiriu assim amplo conhecimento, tanto no campo da Torá oral, como da escrita.

Sua vida

Beruriá passou a maior parte de sua vida em Tiberíades. Não se sabe ao certo a data de seu nascimento nem de sua morte, mas acredita-se que tenha nascido nos primeiros 25 anos do século II da era comum. A tragédia marcou a vida de Beruriá assim como a de muitos judeus que habitavam a Terra de Israel, naquele período. Foi uma época marcada por morte e destruição. Após a Primeira Revolta, que culminou com a destruição do Segundo Templo, o novo imperador romano Adriano ordenou proibições na Judéia de várias práticas religiosas, entre as quais a circuncisão e o estudo da Torá. O resultado foi a trágica revolta judaica liderada por Bar Kochba (133-135 da era comum).

O pai de Beruriá, Rabi Hananiá Ben Teradion, foi perseguido pelas tropas romanas por causa de sua devoção à Torá. Foi preso, queimado, e sua esposa, executada. A irmã mais jovem de Beruriá foi levada pelos romanos a um prostíbulo em uma cidade distante. De acordo com o Talmud, Beruriá disse, então, ao marido: "Estou envergonhada por minha irmã estar em um prostíbulo". (Avodá Zará 18b).

O Talmud relata com detalhes como Rabi Meir salvou sua cunhada, com sua virtude intacta, e as conseqüências que este gesto teve em sua vida. Os romanos o perseguiram e ele foi obrigado a exilar-se na Babilônia. Antes deste episódio, o jovem irmão de Beruriá havia-se juntado a um grupo de marginais e acabou sendo executado pelas autoridades.

Sua erudição

Beruriá era respeitada por sua busca incansável de conhecimento, sendo citada como modelo para os que estudavam o Talmud. Como já dissemos, conhecia não só a Lei escrita como a oral. Um relato talmúdico revela esta afirmação:


"Um dia, Rabi Simalai pediu a Rabi Yochanan que lhe ensinasse em três meses o complexo Livro de Crônicas, ao que Rabi Yochanan respondeu, irado: 'Se Beruriá, que conseguia aprender 300 leis de 300 mestres em um único dia, demorou três anos para estudá-lo, como você pode imaginar que conseguiria fazê-lo em três meses?'"

Sua reputação como erudita era enorme e, às vezes, sua opinião era mais considerada do que a de outros sábios. Foi a única mulher mencionada em antigos textos rabínicos por sua perícia sobre temas ligados a conceitos da lei judaica. Segundo o Talmud, Beruriá também lecionava (Eruvin 53b).

Sua personalidade

Além de ser dona de uma mente brilhante, Beruriá tinha uma personalidade especial. A força de seu caráter, o total respeito à Lei e seu compromisso com D'us podem ser comprovados nesta famosa história que envolve a perda de seus dois filhos.

Numa tarde de Shabat, enquanto Rabi Meir estudava na sinagoga, seus dois filhos morreram vítimas de uma epidemia. Mesmo arrasada, Beruriá cobriu os corpos dos meninos e pensou em como dar a notícia a seu marido, pois não queria que ele chorasse a perda dos filhos durante o Shabat.

Assim que Rabi Meir entrou em casa, perguntou pelos filhos, mas Beruriá não lhe contou o que havia sucedido. Só após o término do Shabat, ela lhe fez a seguinte pergunta: "Algum tempo atrás, alguém lhe deu um tesouro para guardar e hoje esse homem veio pedi-lo de volta. Você seria obrigado a lhe devolver esse tesouro?" Sem hesitar, Meir respondeu à sua esposa que o tesouro deveria retornar a seu dono. Beruriá, então, segurou-o pela mão e levou-o para o quarto onde jaziam os corpos dos meninos.

Enquanto ela removia o manto que os cobria, Rabi Meir começou a chorar. Beruriá então falou: "Você não me disse que é preciso devolver ao verdadeiro dono aquilo que nos foi confiado?" E, usando a citação do Livro de Jó, disse: "D'us deu, D'us levou. Aben-çoado seja o nome de D'us". O Talmud conta que Rabi Meir sentiu-se confortado pelas palavras e pela fé em D'us demonstrada pela esposa naquela situação.

Em outra ocasião, de acordo com o Talmud, Beruriá usou seu conhecimento da Torá para aconselhar o sábio Rabi Meir em relação a um bando de ladrões que costumava atacá-lo. Um dia, cansado da situação, orou para que os perversos desaparecessem. Beruriá lembrou-o acerca do verso do Livro dos Salmos (104:35) que diz: "Deixe os pecados e não os pecadores desaparecerem da terra". Rabi Meir, então, disse: "Você tem razão". O sábio rezou e os bandidos reconheceram seus erros, abandonando a vida criminosa.

Ninguém tem certeza de como e quando Beruriá morreu.