Morashá
OS MARRANOS DO ORIENTE Foto Ilustrativa

OS MARRANOS DO ORIENTE

O termo marrano aplica-se aos judeus espanhóis e portugueses que tiveram de se converter ao catolicismo, forçados pela Inquisição. Na opinião do historiador Reuven Kashani, pode-se também utilizá-lo para os membros da comunidade judaica que vivia na

Edição 28 - Abril de 2000


A história do povo judeu é marcada por tragédias. A tal ponto, que para qualquer judeu de 60 anos ou mais, o ponto de referência em sua vida é sempre um pogrom, um gueto, uma expulsão...

As catástrofes são numerosas demais para serem lembradas por todas as comunidades e as comemorações preencheriam todos os dias do calendário. Por isso, os judeus lembram das datas que marcaram a sua vida em família e tentam transmitir as lembranças aos filhos e netos.

É o caso de Efraim Cohen Harunoff, um descendente dos "marranos" de Mashad. A data gravada em sua memória é 12 de Nissan de 5599 (27 de março de 1839). A data não tem nenhum si-gnificado para a maioria das pes-soas. Mas, para este homem de 68 anos, nascido em Israel, é repleta de significado.

Foi precisamente nesta data que, em Mashad, cidade ao norte do Irã, que 40 judeus foram assassinados pela população muçulmana. O restante da comunidade judaica foi obrigado a se converter ao islamismo, inclusive os avós de Efraim Cohen.

No entanto, os judeus convertidos e seus descendentes mantiveram "vida dupla". Fora do lar, eram muçulmanos, mas assim que entravam em casa, reassumiam sua identidade judaica. A história destes judeus, baseada na versão do historiador Reuven Kashani, foi relatada em um programa de televisão de Israel produzido por um descendente destes "marranos", primo de Efraim.

Vida em Mashad

Durante séculos, os xiitas proibiram os judeus de viver em Mashad por considerarem a cidade santa. No início do século XVIII, porém, o Xá Nadar conquistou a cidade expulsando os turcos; declarou Mashad sua capital e acolheu os judeus, revogando todos os decretos que os discriminavam.

Em 1734, o governo da Pérsia autorizou os judeus a se instalarem em Mashad, pois era preciso ampliar o comércio da região. Mesmo assim, sempre foram odiados.

Com queda desse governo, em 1839, a situação dos judeus mais uma vez deteriorou, e no dia 12 de Nissan os judeus da cidade foram atacados pelos muçulmanos. Existem duas versões sobre este pogrom. Uma afirma que tudo começou por causa de um boato: um muçulmano vira um judeu matando um cachorro e na cidade espalhou-se a noticia que o judeu havia sacrificado cão depois de dar-lhe o nome do profeta Hussein. O fato teria então enfurecido a população muçulmana. Outra versão afirma que pesou sobre os judeus a acusação clássica de "libelo de sangue". Os judeus de Mashad negaram as acusações, mas não foram ouvidos.

O fato é que naquele dia, mais de 30 judeus foram mortos. Em seguida foi proclamado um decreto dando aos judeus a opção de se converter ou morrer. A população judaica entendeu que não lhe restava outra alternativa a não ser a conversão, para pelo menos manter as aparências. Decidiram manter uma "vida dupla" se convertendo ao islamismo, mas praticando fervorosamente o judaísmo, em segredo.

Aparentemente, pareciam muçulmanos perfeitos. Usavam a vestimenta local, davam nomes muçulmanos a seus filhos e compravam carne nos açougues islâmicos. Rezavam cinco vezes ao dia, iam à mesquita construída especialmente para os judeus convertidos e casavam os filhos seguindo os ritos muçulmanos.

Mas era só fachada. Protegidos em seus lares, chamavam seus filhos com nomes hebraicos e doavam a carne comprada aos menos favorecidos. Os judeus "marranos" preparavam suas aves seguindo as regras da cashrut.

As Grandes Festas eram celebradas em quartos secretos, só o shofar não era tocado. Pessach era o verdadeiro desafio, mas de uma forma ou outra os "marranos" de Mashad conseguiam celebrar a festa. As matzot eram guardadas com semanas de antecedências, enquanto continuavam a comprar pão que doavam a muçulmanos pobres.

Casavam os filhos seguindo os ritos muçulmanos, mas em casa o casamento era novamente realizado sob uma chupá. As crianças eram comprometidas desde a primeira infância. Assim, se um pretendente muçulmano se apresentasse, os parentes se desculpavam alegando o compromisso com outra pessoa. Aliás, os filhos destes judeus casavam praticamente na infância, com 10 ou 11 anos.
Os judeus de Mashad eram na maioria comerciantes e tentavam respeitar o Shabat. Apesar de deixarem as lojas abertas ao sábado, tentavam não efetuar nenhuma venda. Pediam aos filhos que avisassem os compradores em potencial que o pai estava doente e não poderia atender. Porém, este estratagema não funcionou, despertando suspeitas entre os vizinhos muçulmanos.

Na esperança de acalmar os muçulmanos que desconfiavam que os judeus estivessem praticando a sua religião às escondidas, e para provar a sua fé na religião muçulmana, os judeus faziam uma peregrinação à cidade santa de Meca, de onde retornavam com o título de Hadj, dado a quem faz a peregrinação.

No Museu de Israel podem-se encontrar o tefilin (filactério) minúsculo que foi usado pelo avô de Efraim, que os escondeu por baixo do turbante em uma visita que o obrigaram a fazer a Meca. Munido de seu tefilin, o avô de Efraim fazia as suas preces em hebraico na presença de milhares de muçulmanos.

Com o tempo, muitos membros da comunidade conseguiram deixar Mashad, alegando uma viagem de negócios ao exterior. Por serem supostamente muçulmanos, tinham a vantagem sobre os outros judeus persas, podendo manter ligações comerciais no exterior. Chegando em Jerusalém, fundaram duas sinagogas no bairro de Purrarim, uma destas intitulada "Adeja Adonyahou Hakohen". Ambas ainda existem.

Mesmo após terem se instalado em Israel, eles preservaram a unidade da comunidade em torno das duas sinagogas, que se tornaram ponto de encontro para os judeus de Mashad, que iam chegando aos poucos.

Em Jerusalém, os judeus oriundos de Mashad ainda mantiveram costumes adquiridos durante sua vida no Irã, quando precisavam manter sua religião em segredo. Por exemplo, acendem velas de Shabat todas as noites da semana. Faziam isso no Irã para não despertar suspeitas às sextas-feiras.

Até 1954 praticamente todos os judeus de Mashad conseguiram sair do Irã. Atualmente há cerca de 16 mil descendentes destes judeus espalhados pelo mundo, nove mil vivem Israel; dois mil em Londres; quatro mil em Nova York; e mil em Milão. Apenas uma família judia vive ainda na cidade iraniana de Mashad.

Bibliografia:

The Jewish People Almanac, David C. Gross, Jerusalem Post, Abril'99