Morashá
Espiões na Terra Santa Rivka, Sarah e Ephraim Aronsohn. No meio, Alexander e Shmuel Aronsohn, com Chaim Abraham, marido de Sarah, à direita. Atrás, Aaron Aronsohn.

Espiões na Terra Santa

por Zevi Ghivelder

Como um heroico grupo de pioneiros judeus contribuiu para a derrota do Império Otomano na antiga Palestina.

Edição 102 - Dezembro de 2018


Na segunda metade do século 19, um dos mais ilustres viajantes a percorrer a antiga Palestina foi o icônico escritor americano Mark Twain. Dessa viagem resultou seu livro Innocents Abroad (sem tradução para o português), no qual descreve a Terra Santa de 1870 como uma terra de paisagem desoladora a par da feiura de seus habitantes. Relata, ainda, a existência de aldeias miseráveis com gente miserável, que qualifica como “humanidade esquálida”.

Foi com essa triste paisagem que os judeus da Primeira Aliá, que se estendeu de 1883 a 1903, se depararam quando chegaram à Palestina sob domínio turco. Esta chamada Primeira Aliá correspondeu a uma corrente imigratória que levou de 25 mil a 35 mil judeus da Europa Oriental e do Iêmen para Eretz Israel (Terra de Israel). A maioria dos recém-chegados era oriunda da Rússia, onde, no final do século 19 e princípio do século 20, os pogroms (massacres contra judeus) se multiplicavam. Por causa desses ataques sangrentos e impiedosos os judeus começaram a fortalecer sua identidade nacional, o que deu origem ao movimento Hibat Zion (Amor a Sion), cuja base teórica e aclamada era a obra precursora do sionismo, Autoemancipação, de Leon Pinsker, livro sobre o qual Theodor Herzl escreveu: “Se eu tivesse lido Pinsker, talvez não tivesse escrito O Estado Judeu”.

Obviamente, os judeus que pretendiam emigrar da Rússia, da Romênia e da Galícia para a Palestina Otomana não tinham meios para sustentar tal empreendimento. Foi quando veio o socorro do Fundo Rothschild, tendo à frente o barão Edmond Rothschild, da célebre família de banqueiros judeus europeus, que, além de proporcionar o deslocamento para homens, mulheres e crianças, também adquiriu propriedades para exploração agrícola na Palestina Otomana, chegando a somar um total de 350 mil metros quadrados de terras. Assim foi dada origem a uma série de novos assentamentos ocupados pelos pioneiros. Esses imigrantes, dotados de uma energia fora do comum, não mantinham convicções de caráter coletivo tal como aconteceria anos mais tarde com a implantação dos kibutzim (colônias agrícolas coletivas). Eles não eram socialistas e optaram por incrementar atividades particulares nos moshavim (comunidades rurais), em sistema de cooperativas. Em dezembro de 1882, um grupo de cem judeus da Bessarábia, integrantes do movimento Hibat Zion, instalou-se em uma das terras compradas pelo Fundo Rothschild, a 35 quilômetros ao sul de Haifa, nas escarpas do Monte Carmel. Muitos dos agricultores foram acometidos pela malária e decidiram abandonar o projeto de se radicar na Palestina. Os que ficaram, deram à localidade o nome Zichron Yaakov, em homenagem ao pai do barão, de nome Yaakov. As primeiras atividades agrícolas não deram certo e, três anos mais tarde, Edmond Rothschild decidiu ali instalar a primeira vinícola da Palestina, uma iniciativa bem-sucedida.

Efraim Aronsohn, possuidor de razoáveis recursos próprios, desembarcou em Jaffa com a mulher, Malka, e dois filhos pequenos, Aaron, seis anos, e Zvi, com quatro. A família se estabeleceu em Zichron Yaakov, onde nasceram mais dois filhos, Shmuel e Alexander, e duas filhas, Sarah e Rivka. Dos seis filhos, dois revelaram extraordinária inteligência e firmeza de caráter, Aaron e Sarah.

A eclosão da 1ª Guerra Mundial, em 1914, não chegou a interferir na rotina de Zichron Yaakov. Os ocupantes otomanos eram complacentes com os pioneiros e só passaram a se preocupar com os judeus quando o Sionismo começou a ser um movimento inspirador e propulsor da Segunda Aliá, de 1904 a 1914, resultando na fundação do primeiro kibutz, Degânia, às margens do Mar da Galileia, em 1909. Esses pioneiros eram idealistas, nacionalistas e socialistas, portanto vistos de forma suspeita pelas autoridades otomanas. Muitos desses imigrantes passaram a ser monitorados, culminando com a expulsão da Palestina de dois líderes sionistas, David Ben Gurion e Itzhak Ben Zvi. Ambos se exilaram temporariamente nos Estados Unidos. Os judeus só se mobilizaram quando lhes chegaram os primeiros relatos sobre a Campanha de Galípoli, que durou de 1915 até o ano seguinte. Essa campanha foi um dos mais trágicos momentos da Primeira Guerra Mundial. Tropas inglesas, francesas, australianas e neozelandesas desembarcaram na península de Galípoli com o propósito de invadir a Turquia, aliada da Alemanha no conflito, e capturar o estratégico Estreito dos Dardanelos. Foram assombrosos os milhares de mortos e feridos nas fileiras das forças invasoras. Estas contavam com cerca de 80 mil homens que não conseguiram ultrapassar as ferozes defesas turcas. Fora a resistência na península, o Estreito dos Dardanelos permaneceu fechado, impedindo que os países ocidentais, além de combalidos por terríveis baixas militares, pudessem levar auxílio à Rússia com a qual estavam alinhados na guerra.

O insucesso de Galípoli fez com que o império britânico passasse a dedicar maior atenção à ocupação otomana na Palestina e a cogitar a invasão daquela região. A par do fracasso militar na península turca, em 1916 teve início uma revolta árabe contra os turcos e também de caráter nacionalista, que passou a agir por conta própria, sem a interferência de qualquer potência estrangeira. Nesse contexto avultou a figura de um militar inglês chamado Thomas Edward Lawrence, o mítico Lawrence da Arábia. Fascinado pelo mundo árabe, ele ganhou a confiança de Faissal, um dos líderes da rebelião árabe, que ficou impressionado com os conhecimentos daquele jovem oficial sobre as condições logísticas e o potencial militar turco, conhecimentos adquiridos enquanto ele servira durante dois anos no serviço secreto inglês, sediado no Cairo, sob o comando do general Allenby. Faissal acabou confiando-lhe uma tropa de 10 mil homens, que combateu os turcos com ações de sabotagens e guerrilhas. Mais tarde, Lawrence viria a manter importante contato com Aaron, filho mais velho da família Aronsohn.

Aaron Aronsohn, filho de Efraim, nasceu na Romênia em 1876. Patrocinado por Edmond Rothschild, estudou agronomia e botânica na França. Embora muito jovem, mas já distinguido como notável especialista nessas matérias, voltou para Zichron Yaakov e de lá partiu para o norte da Palestina com a finalidade de pesquisar a flora local. Na área de Rosh Piná, dedicou seus estudos a uma planta que recebeu o nome em latim de triticum, o principal componente do trigo para alimentação. O jornal The New York Times, do dia 26 de outubro de 1905, noticiou: “Trigo histórico encontrado na Palestina”. Na verdade, as pesquisas e estudos daquele rapaz judeu são até hoje uma fonte mundial de referência nessa matéria. Depoimentos de contemporâneos de Aaron apontam-no como uma verdadeira força da natureza: um homem alto, ombros largos, musculoso, enfim, uma figura humana imponente.

Por causa da notícia no jornal americano, Aaron recebeu uma correspondência assinada por David Fairchild, cientista-chefe do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos com um convite para uma visita a Washington. Respondeu que, por causa de uma crise agrícola em Zichron Yaakov, não poderia viajar naquele ano, acrescentando que, quando possível, gostaria de fazer pesquisas na Califórnia, cuja geologia, conforme estudara com meticulosidade, apresentava significativas semelhanças com certas regiões da Palestina.

Tendo Zichron Yaakov voltado a entrar nos eixos, Aaron pôde partir para os Estados Unidos. Recebido de forma entusiástica por Fairchild, percorreu o país durante quatro meses fazendo palestras em associações científicas e universidades. Ao mesmo tempo, aproximou-se de pessoas físicas e entidades filantrópicas judaicas, obtendo fundos para a instalação de um centro de pesquisas de história natural na cidade costeira de Atlit, ao sul de Haifa, que abrigaria a primeira biblioteca especializada nessa matéria na Terra Santa. Anos mais tarde, Fairchild escreveria sobre Aronsohn: “Eu logo percebi que estava perante um homem extraordinário. Embora ele jamais tivesse estado na Califórnia, conhecia aquele estado tão bem como conhece a Palestina. Nenhum estrangeiro nunca esteve no meu escritório com um acúmulo de informações e conclusões tão profundas sobre solos, climas, diferentes plantas e suas adaptabilidades a diferentes meio-ambientes”. A Universidade de Columbia, em Nova York, convidou-o para lecionar em caráter permanente, mas Aaron recusou. Tinha pressa em voltar para casa. Primeiro, para cuidar do centro a ser criado em Atlit; segundo, porque sentia que os judeus do ishuv (judeus residentes na Palestina)sofriam uma iminente e grave ameaça. Depois de tomar conhecimento do massacre perpetrado pelo governo da Turquia contra um milhão e meio de armênios, gerando por consequência hordas de refugiados expulsos de suas terras, era óbvio concluir que a mesma desgraça poderia abater-se sobre os judeus na Palestina. Portanto, era preciso tomar alguma providência o quanto antes, era imperioso participar da guerra contra os otomanos, aliando-se à Grã-Bretanha para o que desse e viesse. Aaron se preocupava com as atitudes hostis de Djemal Pasha, comandante do Quarto Exército Otomano, contra o ishuv, a ponto de o chefe militar turco já ter ordenado em 1914, no início da grande guerra, a expulsão da Palestina de cerca de mil judeus. 

Aaron Aronsohn nada sabia a respeito do potencial militar do regime turco e menos ainda de suas condições logísticas, tais como transportes, combustíveis e quantidade e qualidade de armamentos. Para ter acesso a tais informações era preciso ganhar a confiança dos dirigentes civis e militares otomanos, uma tarefa quase impossível. Seu primeiro passo foi estabelecer as bases de uma rede de espionagem judaica sob a seguinte égide, extraída do livro de Samuel: Netzach Israel Lo Ieshaker, (A Glória de Israel Jamais Morrerá), daí resultando o acrônimo NILI, formado pelas primeiras letras das palavras no idioma hebraico. O ponto de convergência da rede de espionagem em gestação seria em Atlit. Em março de 1915, uma praga de gafanhotos invadiu a Palestina causando imensas devastações e prejudicando seriamente a produção de alimentos. Informado de que o judeu Aronsohn havia estabelecido um centro de pesquisas de história natural, Djemal Pasha, verdadeiro ditador da Palestina e da Síria otomanas, mandou chamá-lo num tom ameaçador. Se não obtivesse ajuda para combater a praga, haveria consequências desagradáveis. A intimidação chegou ao ponto de Pasha dizer: “O que você diria se eu mandasse enforcá-lo? ”. Aaron respondeu: “Como eu peso muito, a árvore quebraria e faria um tamanho barulho, que seria ouvido até nos Estados Unidos”. Djemal entendeu o recado. Não valia a pena se indispor com os Estados Unidos, que até então se mantinha neutro na guerra, e estava sendo cortejado tanto pela Turquia, como pelos aliados europeus. Para erradicar os gafanhotos, Aaron teve à sua disposição um veículo militar, com escolta e motorista, no qual esquadrinhou a Palestina e também a Síria. Acumulou montanhas de informações sobre topografia, clima, recursos e obstáculos naturais, inclusive tendo acesso não detectado a planilhas de armamentos e estratégias militares turcas. Enfim, possuía grande parte do que os ingleses precisariam saber na hipótese de optarem por uma intervenção militar na Palestina. Aaron conseguiu erradicar a praga dos gafanhotos e assim caiu nas graças das autoridades otomanas.

Seu passo seguinte consistiu em estabelecer um contato produtivo com os serviços britânicos de inteligência. Chamou seus irmãos Alexander e Rivka, providenciou passaportes falsos e comprou passagens num navio que zarparia de Beirute para a Europa com escala em Alexandria. Os irmãos ali desembarcaram e tomaram o rumo do Cairo onde Alexander esbarrou nas maiores dificuldades para fazer contato com alguém do serviço secreto inglês. Depois de muitas idas e vindas, foi finalmente recebido por um oficial. Do alto de sua arrogância, este deitou uma vista de olhos nos documentos trazidos por Alexander e disse que nada daquilo tinha qualquer interesse, nada daquilo tinha o menor valor.

Aronsohn não desistiu, providenciou outro passaporte falso e comprou outra passagem com escala em Alexandria. Desta vez a incumbência de mensageiro foi dada ao jovem Avshalom Feinberg, rapaz culto e inteligente, noivo de Rivka e melhor amigo de Aaron. Ele teve sorte na aproximação com um oficial que ficou impressionado com o volume de informações que lhe estava sendo exibido. De imediato emitiu uma ordem para os navios de guerra britânicos, em ação no mar Mediterrâneo, entrarem em contato com a rede judaica através de luzes com código Morse e, eventualmente, para contatos pessoais, se dirigissem até a costa da Palestina em barcos a remo. Em 1916, somando-se às crescentes preocupações de Aronsohn, os turcos continuaram perseguindo e expulsando os armênios. Somente um tolo não perceberia que logo os judeus enfrentariam o mesmo destino. Resolveu tratar da proteção do ishuv diretamente com os ingleses, em Londres, um passo da maior ousadia. Mas, como justificar perante os turcos uma súbita viagem à Europa? Disse-lhes que havia descoberto um tipo de sésamo que continha uma quantidade incomum de gergelim e, portanto, algo com apreciável potencial econômico para o governo de Istambul. Entretanto, para estar seguro de que estava no caminho científico correto, precisava consultar famosos especialistas nessa matéria em Berlim. Partiu para a capital da Turquia e de lá para Berlim. Sob pretexto de realizar um trabalho científico, obteve um visto para a Dinamarca, neutra no conflito.

Em Copenhague, Aaron dirigiu-se à embaixada inglesa onde revelou a um alto diplomata tudo sobre a já ativa NILI. Se quisesse, o funcionário britânico poderia entrar em contato com a embaixada no Cairo, onde teria a confirmação da pouca atenção que seus primeiros emissários ali haviam recebido, bem como das instruções de cooperação transmitidas para a Real Marinha de Sua Majestade. Aaron e o diplomata traçaram um plano para evitar que sua família e a rede NILI sofressem retaliações, caso os turcos viessem a saber de sua presença em Londres. Por conta de suas antigas amizades, Aaron obteve do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos uma carta-convite para participar de um congresso internacional em Washington. O navio no qual embarcou, que navegaria para o outro lado do Atlântico, fez uma escala na Escócia e Aronsohn foi pretensamente preso pelas autoridades locais sob a acusação de ser um espião a mando da Turquia. Era um disfarce perfeito para enganar os turcos se, de alguma maneira, fossem informados que ele estava em solo britânico. Em Londres, foi primeiro interrogado por um oficial especializado em assuntos da Turquia e, depois de atestada sua veracidade, passou a ter longas conversas com Sir Marks Sykes, parlamentar e chefe da inteligência britânica. (Anos depois, finda a guerra com a vitória dos aliados, Sykes assinaria junto com o francês Picot o acordo que dividiu os territórios até então pertencentes ao império otomano). Ao longo de sucessivos encontros, Sykes passou a admirar aquele judeu orgulhoso de sua ancestralidade, que se voluntariava para colaborar com o esforço de guerra inglês e não lhe pedira sequer uma libra esterlina como contrapartida. Em outras conversas, Aaron falou-lhe longamente sobre o projeto sionista. Sykes escreveu um relatório de 38 páginas para o primeiro-ministro Asquith, destacando o inestimável valor da rede NILI para as presentes e futuras pretensões do governo de Sua Majestade com relação à Palestina. Sykes também se impressionou com as dissertações sobre o sionismo feitas por Aaron e, por conta disso, acabou exercendo influência no gabinete para a emissão da Declaração Balfour.

Sarah Aronsohn nasceu em Zichron Yakov no dia 5 de janeiro de 1890. Seu pai, Efraim, era a personalidade proeminente da comunidade e ganhara boa quantia comerciando grãos. As maiores honrarias, entretanto, eram devotadas a Aaron, catorze anos mais velho do que ela e que, portanto, assumira a condição de seu mentor intelectual. Era o mais velho dos seis irmãos e todos personificavam a segunda geração dos pioneiros da Primeira Aliá. Comportavam-se como se já estivessem numa pátria judaica soberana, falando o idioma hebraico em seu cotidiano e cultivando imensa devoção às terras que, somente devido à sua presença, pareciam despertar por conta própria após um pesadelo de muitos séculos. Ao mesmo tempo, os jovens de Zichron Yaakov se organizavam em grupos, a partir de treinamentos paramilitares com a finalidade de defender suas propriedades. Sarah pertencia ao grupo fundado por seu irmão Alexander, os gideonim, homenagem ao personagem bíblico Gideon.

Sarah cresceu como uma jovem determinada, impetuosa, independente e exímia cavaleira. Era sempre vista ao lado de Avshalom Feinberg, de um moshav nas cercanias de Hedera. Biógrafos de Sarah sustentam que ela manteve um caso de amor com Avshalom, embora ele viesse a noivar com sua irmã mais nova. Sarah não teve uma educação formal, mas sob orientação de Aaron empenhou-se no estudo de idiomas. Adolescente, falava hebraico, iídiche, turco, francês, inglês e rudimentos de árabe. Em 1914, por causa do noivado de Avshalom com Rivka, arrefeceu a amizade com o rapaz que, mesmo assim, continuou a frequentar a casa dos Aronsohn e a marcar presença no centro em Atlit. Sarah, por sua vez, deu novo curso à sua vida.

Em 1914, começou a manter um relacionamento com um rico comerciante judeu de origem búlgara, chamado Chaim Abraham, bem mais velho do que ela. Ao mesmo tempo, Avshalom queria se casar com Rivka, mas seguindo uma tradição judaica ortodoxa, a irmã menor não poderia se casar antes da mais velha. Mas, com quem Sarah se casaria? No horizonte avultava a figura do gordo Chaim Abraham, adornada pela enorme simpatia dos pais, Efraim e Malka. A rigor, Sarah até gostava dele, mas estava longe de estar apaixonada. Por pressão dos pais, concordou com o casamento, ainda sem data marcada. Coube, então, a Efraim receber Chaim para discutir qual o dote que daria para o noivo em potencial. Ofereceu-lhe uma porção de terra que possuía, perto dos vinhedos do barão. Chaim logo percebeu que era um bom negócio, com perspectiva de lucros futuros. Concordou e seguiu para Constantinopla, empenhado nos preparativos para receber sua jovem noiva.

Quando Sarah soube do dote que seu pai havia oferecido, ficou furiosa. Não concordava que aquele rico comerciante fizesse questão de mais uma porção de terra. Escreveu-lhe uma carta: “Não consigo compreender como você, sionista, quer se apossar de uma terra encharcada com o suor dos pioneiros”.

Apesar dessa desavença, Sarah Aronsohn e Chaim Abraham se casaram em março de 1915 e foram viver em Constantinopla. Sarah não gostou da casa, que lhe parecia sombria, e muito menos dos móveis antigos e bolorentos. O contato íntimo entre os dois era quase inexistente. Semanas depois de vida em comum, Chaim embarcou para uma viagem de negócios à Europa, deixando na casa uma irmã e um cunhado, a pretexto de fazerem companhia para Sarah, mas, na verdade, encarregados de controlar seus passos. O clima dentro da casa era tenso e ficou ainda pior quando Sarah soube do extermínio dos armênios. Julgou que sua família corria igual perigo e sentia que precisava voltar para Zichron Yaakov. Fez as malas e foi embora sem olhar para trás.

Pouco depois de seu regresso, Aaron confiou-lhe responsabilidades nas atividades clandestinas da NILI. Ele mesmo viajara para o Cairo, onde devia manter contato permanente com as forças militares britânicas e também com seus serviços de Inteligência. A organização de espionagem judaica não promovia atos de violência. Sua principal tarefa, coordenada por Sarah, Avshalom e mais um amigo fiel, Joseph Lishansky, consistia na coleta de informações. Tudo era importante e seria útil em caso de uma intervenção inglesa: localizações de todos os moshavim e kibutzim da Palestina; mapas e nomes de ruas das principais cidades sob protetorado otomano; quantidades e marcas de veículos civis e militares; nomes dos principais comandantes turcos estacionados na Palestina e seus patamares hierárquicos; nomes e funções dos funcionários civis da administração turca; importações e exportações a partir do porto de Jaffa; instalações militares e depósitos de munições.

No Cairo, Aaron participava dos planejamentos para a futura invasão da Palestina quando passou a ser alvo da inveja de Lawrence que julgava seus próprios planos muito melhores. Aaron registrou num diário a última conversa que manteve com Lawrence da Arábia: “Conversei com o capitão Lawrence. Nossa conversa foi isenta de amenidades. Ele tem tido tanto sucesso com sua pouca idade que está muito empolgado consigo mesmo. Pretendeu dar-me lições sobre o meu próprio povo. No fim das contas, tive a impressão de ver diante de mim um tradicional antissemita russo falando inglês. Ele tem a idade na qual a pessoa não tem a menor dúvida de tudo que pensa e diz. Jovem e feliz rapaz! ”

Em março de 1917, o alto comando militar britânico instituiu oficialmente que a organização judaica NILI era a sua principal fonte de inteligência em qualquer assunto relacionado à Palestina. Contudo, no mês de setembro, os contatos com a NILI foram abruptamente interrompidos. Até hoje há controvérsias referentes às circunstâncias pelas quais foi desmantelada a rede de espionagem. Os espiões da NILI usavam pombos-correios como forma usual de comunicação. Segundo um historiador, um desses pombos pousou na varanda da residência de um oficial turco, localizada nas proximidades das ruínas romanas de Cesareia. Outro pesquisador afirma que os turcos prenderam um membro da NILI que pretendia ultrapassar a fronteira do Sinai com o Egito. Desconfiaram dele e este homem desconhecido revelou-lhes tudo sobre as atividades de espionagem feitas pelos judeus. O fato é que a comunidade Zichron Yaakov foi cercada por um grande contingente turco que tinha como alvo principal a casa da família Aronsohn.

Sarah foi presa e levada para um quartel otomano. Outros dois importantes dirigentes da NILI, Naman Belkind e Joseph Lishansy, também foram presos. Ambos foram levados para Damasco e enforcados em praça pública. Sarah foi barbaramente torturada durante quatro dias, mas nada revelou sobre a organização clandestina. Quando lhe disseram que seu pai seria preso, Sarah tomou a única decisão que julgava cabível para evitar que o pai fosse torturado. Durante todo o tempo da prisão, mantinha escondida uma arma. Suicidou-se com um tiro na boca. Tinha 27 anos de idade.

No Cairo, apesar de devastado pela morte da irmã, Aaron Aronsohn forneceu ao general Allenby todas as coordenadas referentes à topografia do deserto do Neguev, que seria percorrido pelas tropas inglesas na invasão da Palestina, rumo a Beersheva e depois a Gaza, abrindo caminho para o domínio da região central do país. Jerusalém rendeu-se em dezembro, dando fim a mais de 400 anos de domínio otomano na Terra Santa. No decorrer dos últimos anos Aaron mantinha amizade com Chaim Weizmann, que lhe dedicava especial admiração. Em 1919, convocou-o para ir a Londres, onde deveria dedicar-se aos desdobramentos políticos da Declaração Balfour. Depois chamou-o para participar da delegação sionista à conferência da Liga das Nações, em Paris. O avião em que Aaron viajava caiu e afundou no Canal da Mancha. Seu corpo nunca foi encontrado.

Existe hoje em Zichron Yaakov um pequeno museu dedicado à NILI, contendo centenas de fotografias, diagramas que explicam a estrutura da organização, originais de cartas e manuscritos de Aaron.

Continua sendo reverenciada a memória de Sarah e Aaron Aronsohn, heróis do povo de Israel. 

BIBLIOGRAFIA

Rhodes, James. “Spies in Palestine”, editora Counterpoint, USA, 2016.

Feith, Douglas J., artigo em “Mosaic”. Setembro, 2017.

Melman, Millie, “Women’s Orrients”, editora Palgrave Macmillan, UK. 1992. 

Zevi Ghivelder é escritor e jornalista