Morashá
ACONTECEU NO DIA 11 DE SETEMBRO DE 2001 Foto Ilustrativa

ACONTECEU NO DIA 11 DE SETEMBRO DE 2001

Em uma pequena sinagoga, não muito distante das duas Torres do World Trade Center, como de costume, um grupo de judeus ortodoxos se encontrou, cedo pela manhã, para oficiar as preces matinais. Normalmente, não é problema reunir um minian e a sinagoga fica lotada de fiéis.

Edição 42 - Setembro de 2003


Mas, na manhã de 11 de setembro de 2001, houve uma rara escassez de participantes. Talvez tivessem resolvido ficar em casa naquele dia para as importantes orações de selichot que antecedem as grandes festas. Ou talvez estivessem participando da cerimônia fúnebre, em memória dos judeus que tinham sido mortos na queda de um helicóptero, no Grand Canyon. 

Duzentos homens que trabalhavam no World Trade Center estavam, de fato, atrasados para o trabalho naquela manhã por causa da sua participação no serviço de shloshim, em memória do tal acidente. Mas seja lá qual for o motivo, a congregação se viu diante de um problema: o tempo corria e havia somente nove dos dez homens necessários para iniciar a reza de Schacharit. Todos eram profissionais sérios e tinham que estar nos seus escritórios no World Trade Center bem antes das 9h.

"O que faremos", eles se perguntavam, impacientemente, olhando seus relógios e andando de um lado para o outro. "Isto não acontece há anos! Onde está todo mundo? Tenho certeza de que o décimo homem chegará daqui a pouco", ao que outro respondia: "Temos que ter paciência".

Os homens esperaram tensos e inquietos. Alguns já estavam atrasados para o trabalho. Finalmente, quando estavam todos quase desistindo e se preparando para fazer as preces individuais, ao invés de rezar com um minian, um homem velho que ninguém tinha jamais visto entrou pela porta e, olhando para o grupo, perguntou: "Vocês já daven?" (rezaram, em ídiche).

"Não senhor", um deles gritou, entusiasmado. "Nós o estávamos esperando". "Ótimo", respondeu o velho. "Tenho que dizer o Kadish pelo meu pai e preciso conduzir, eu mesmo, o serviço religioso. Estou tão contente que vocês ainda não tenham começado". Em circunstâncias normais, os homens teriam perguntado ao senhor educadamente qual era o seu nome, de onde vinha, como chegara até o shul, entre outras perguntas. Porém, estavam tão ansiosos para começar, que decidiram passar por cima do protocolo. Prontamente deram-lhe um sidur, esperando que ele fosse o próprio "Papa-Léguas" das rezas.

O velho, no entanto, provou ser exatamente o contrário. Ele parecia ler as páginas do sidur em câmara lenta. De fato, cada gesto e movimento que fazia parecia sem pressa e propositalmente prolongado. Os fiéis o respeitaram, mas definitivamente estavam "in shpilkes" (em ídiche, "sobre brasas", muito impacientes) para chegar ao trabalho. "Oi!", alguém disse frustrado, colocando a mão sobre a testa. "Nós realmente estamos atrasados".

Nesse momento, ouviu-se a primeira explosão. Eles correram para fora e viram a fumaça, o caos, os gritos da multidão e algo que se parecia com o apocalipse. Após o choque e horror inicial, eles se conscientizaram. Perceberam que haviam sido resgatados das garras da morte. Todos trabalhavam nas duas Torres do World Trade Center. Todos tinham que estar lá antes das 9h. Se não fosse pelo velho homem e pela lentidão de suas preces matinais, muito provavelmente teriam sido mortos.

Então, todos se viraram para agradecer ao homem misterioso que salvara suas vidas. Eles queriam abraçá-lo em gratidão e perguntar seu nome e sua origem. Mas suas perguntas ficaram no ar, sem resposta, pois quando se viraram, o homem tinha partido. Sua identidade será para sempre um mistério. 

Extraído do livro “Small Miracles for the Jewish Heart”, 
Yitta Halberstam e Judith Leventhal.