Morashá
A ROSA DO GUETO Foto Ilustrativa

A ROSA DO GUETO

“Esta é a história de uma rosa que um tirano condenou a morrer por mil anos. Os tiranos passam, as rosas ficam. Mas é preciso repetir a história por mil anos, para que as rosas não passem e os tiranos não fiquem”

Edição 33 - Junho de 2001


Em 21 de setembro de 1939, quase três semanas após o início da II Guerra Mundial, Reinhardt Heydrich, chefe da Polícia de Segurança do Terceiro Reich, enviou uma circular aos seus subordinados, com instruções para o que os nazistas chamavam de “Solução Final” – o extermínio da população judaica nos territórios ocupados.

Em 20 de janeiro de 1942, ao encerrar a mais importante conferência realizada no Departamento Central de Assuntos Raciais, Heydrich determinou que a “Solução Final” fosse apressada. No cumprimento das ordens, o “gauleiter” da Polônia, Hans Frank, recusou-se a fornecer alimentação às 450 mil pessoas confinadas no Gueto de Varsóvia, em um espaço que só comportava 150 mil.

Tinha 15 anos. Chamava-se Rosa, como muitas mulheres do seu povo. No Gueto, todos passavam fome e tinham medo. Rosa sentia-se só e aturdida. Quando olhava para cima, o universo era feito de sol, de azul, de nuvens brancas. Quando olhava para frente, o mesmo universo ficava cinzento e escorria pelo chão coberto de detritos, para terminar abruptamente junto ao muro.

Foi ali que ela encontrou a roseira quase murcha e coberta de pó.

A partir de 22 de julho de 1942, os nazistas acionaram ao máximo a máquina de horrores. Em menos de um ano, somente 60 mil pessoas sobreviviam no Gueto. As demais tinham morrido de fome ou sido assassinadas quando procuravam pular o muro em busca de comida. E também enviadas às câmaras de gás.

Schmilek a viu ajoelhada junto ao muro. Pensou que ela enlouquecera.

“Rosa, que fazes? – perguntou aflito”.

Ela sorriu. Apontou a roseira.

“Estava quase morta. Acho que a salvei”, disse Rosa.

Schmilek respirou fundo e movimentou as mãos num cacoete de impaciência muito próprio dos homens de seu povo. Ficou só no gesto. Aquele sorriso apagava o muro cinzento e os seios de Rosa arfavam, na esperança da vida ressurgente.

Em janeiro de 1943, Himmler fez uma visita-surpresa a Varsóvia. Não ficou satisfeito ao saber que lá ainda restavam 60 mil judeus. Suas ordens foram intransigentes: liquidação total até 15 de fevereiro.

Rosa o chamou alvoroçada:

“Schmilek!... a roseira!...”

Ele olhou a planta. Um pequeno botão despontava. Tentou falar, dizer o que estava acontecendo no Gueto, mas desistiu. Dentro dos olhos de Rosa só havia flores. Ela não se sentia mais só nem aturdida.

Então Schmilek sorriu com muita dificuldade, a custo contendo as lágrimas.

Os alemães encontraram dificuldades para cumprir as ordens de Himmler. O desastre de Stalingrado e as contínuas retiradas do exército nazista da frente russa provocaram escassez de transportes. Era impossível retirar os judeus do Gueto em tão pouco tempo para conduzi-los aos campos de extermínio.

Só em março a operação pôde ser iniciada. Mas sobreveio novo obstáculo: os judeus começaram a resistir. Então, foi ordenada a destruição do Gueto e o massacre de seus habitantes.

Quanto o botão desabrochou, a rosa apareceu muito vermelha. Ela pediu:

“Colhe a rosa, Schmilek. Colhe e me oferece”.

Havia muito de céu nos olhos de Rosa. E também um apelo de amor.

Era o momento de contar a verdade.

“Rosa, nós vamos morrer”.

A dor brotou dos olhos da menina, apagando o céu e o apelo de amor. O silêncio desceu entre os dois.

Schmilek tomou-lhe a mão. Caminharam até onde havia uma fenda no muro.

“Olha”.

Rosa viu um soldado alemão. Ansiosa, buscou alguma coisa que o fizesse diferente. Só podia ver que o soldado era de carne e osso como eles.

“Ele não gosta de rosas?” perguntou, sem conseguir entender.

Schmilek aconchegou-a junto a si, procurando algo que a consolasse.

“Ele gosta de rosas”, murmurou.

“Por que, então?”

“Disseram-lhe que éramos maus. Que o odiávamos. Agora acha que somos maus e nos odeia”.

“Vamos falar com o soldado, Schmilek. Vamos mostrar a rosa. Dizer que é mentira. Que somos bons, que amamos a todos. Ele nos amará também. Todos seremos felizes”.

Schmilek sacudiu os ombros em desânimo. Falou quase sem inflexão na voz:
“Inútil. Não acreditaria”.

Rosa calou-se. Voltou para a roseira. Começou a acariciar a flor recém-desabrochada, como se a estivesse gerando em suas próprias entranhas. De repente, irrompeu em alegria:

“Vai nascer outro botão! Vai nascer outro botão, Schmilek! Preciso cuidar dele, também!”

Schmilek não resistiu mais. Os soluços o sacudiam. Não pôde evitar que as palavras lhe saíssem aos gritos:

“Mesmo sabendo que vamos morrer, insistes nesta idéia maluca de cuidar de rosas!?”

Rosa não se alterou. Pelo contrário, estava calma. E eternamente calma, colheu a flor e beijou suas pétalas.

“Só porque alguém não acredita em nosso amor, devemos esquecer as rosas?”
Em 19 de abril, o general nazista Stroop atacou o Gueto com blindados, artilharia, lança-chamas e dinamite.

Os judeus tinham somente alguns fuzis e duas metralhadoras. Assim mesmo, refugiados na rede de esgotos, lutaram até 16 de maio, quando foram vencidos pelo fogo que os nazistas atearam no Gueto.

Toda a resistência cessou ao ser dinamitada a grande sinagoga da rua Tlomacki.

Não podiam esperar mais.

“Vamos” convidou Schmilek, apontando o caminho dos esgotos.

Ela vacilava.

“E a minha rosa?”

“Traze-a contigo. Estaremos juntos, os três”.

“Não, a rosa precisa viver”.

E sem que Schmilek entendesse o gesto, jogou a flor por cima do muro. Depois foi a escuridão dos esgotos.

Hans Frank, gauleiter da Polônia, olhou feliz para a flor que estava em cima de sua mesa de trabalho. Um soldado a tinha encontrado, lhe dissera o general Stroop. Era tudo que restava do Gueto.

Frank afagou o rosto com a flor, para sentir a maciez das pétalas. De alma leve, flutuando em bem-aventurança, começou o relatório:

“O Gueto de Varsóvia deixou de existir...”.

... para que as rosas não passem e os tiranos não fiquem...

Jayme Copstein