Morashá
Nos passos de Branca Dias Foto Ilustrativa

Nos passos de Branca Dias

por por Semira Adler Vainsencher e Jacques Ribemboim

Quem visitar o Alto da Sé, em Olinda, não deve deixar de ir à casa de número 526 da Rua Bispo Azeredo Coutinho. Neste local, bem ao lado da igreja, talvez tenha funcionado uma sinagoga quinhentista, no interior da residência do casal Branca Dias e Diogo Fernandes, líderes da comunidade criptojudaica de então e pioneiros na produção de açúcar em Pernambuco.

Edição 74 - Dezembro de 2011


Hoje, servindo de abrigo a uma loja de artesanato, é possível se ver a piscina que provavelmente serviu de micvá, datada do século 16. Se isso vier a ser comprovado, estaríamos diante de uma descoberta arqueológica de grande magnitude.

No começo do século 16, Olinda tornou-se um centro de convergência de cristãos-novos1 que deixavam Portugal rumo ao Novo Mundo. Naquela época, Pernambuco iniciava sua produção açucareira, cada vez mais promissora e atrativa. Enquanto isso, do outro lado do Atlântico, a situação dos judeus na Península Ibérica só piorava. Após serem expulsos da Espanha em 1492, foram convertidos à força em Portugal, a partir do ano de 1497. A Inquisição se tornava uma ameaça crescente e as novas terras descobertas poderiam ser a tábua de salvação para aquela gente.

A partir de 1537, após a chegada de Duarte Coelho, primeiro donatário da Capitania, acelera-se o processo de povoamento e urbanização da pequena Vila de Olinda, multiplicando-se os arruados, construindo-se casas, igrejas e até um hospital. Os cristãos-novos organizam-se secretamente e mantêm uma intensa vida comunitária judaica, formando sinagogas (esnogas2), estudando a Torá, guardando o shabat e a cashrut, comemorando suas festividades.

Toda discrição era pouca para evitar possíveis delações ao Santo Ofício. Os vizinhos, por exemplo, precisavam ser convencidos de que os hábitos judaizantes3 não eram mais que algumas esquisitices praticadas por aquela gente.

Neste ambiente, destacava-se o casal Diogo Fernandes e Branca Dias, que mantinha duas sinagogas, uma no recôndito da casa de Olinda, outra no engenho Camaragibe, a poucas léguas de distância.

Olinda quinhentista e o criptojudaísmo

A atividade criptojudaica4 em Olinda, no período de 1535 a 1631, foi das mais intensas. Diversos personagens se destacaram na organização da vida comunitária, alguns, inclusive, gozando de enorme prestígio junto às autoridades locais, mercê de suas fortunas, amealhadas no comércio de açúcar, pau-brasil e miudezas em geral.

Não podendo recusar trabalhadores devido à escassez de colonos, os donatários credenciavam as pessoas de origem judaica com muitos dos direitos concedidos às demais. No meio rural, não era raro encontrar engenhos de propriedade de cristãos-novos. E na Vila de Olinda, os ofícios praticados por judeus eram os mais diversos, ourives, boticários, notariais, alfaiates, sapateiros, sirgueiros (os que trabalhavam com seda), pedreiros, barqueiros, professores etc.

É um tempo de pioneirismo. Os primeiros escritores do Brasil eram cristãos-novos, como, por exemplo, Ambrósio Fernandes Brandão, autor de “Diálogos das Grandezas do Brasil”, e Bento Teixeira, com sua obra poética “A Prosopopeia”, publicada em 1601, pouco após a morte do autor.

Branca Dias

No burgo olindense em rápido crescimento, os israelitas logravam uma vida comunitária bastante movimentada, sob a liderança religiosa do já mencionado casal Diogo Fernandes e Branca Dias.

Um e outro tiveram suas vidas de vicissitudes. A de Branca, em particular, constitui uma verdadeira epopéia. Esta cristã-nova nascida em Foz do Lima, Portugal, casou-se muito cedo e teve numerosos filhos. Acusada de práticas judaizantes pela própria irmã (e talvez também pela mãe) quando ainda vivia em solo lusitano, foi presa pela Inquisição e enviada aos Estaus (masmorras de Lisboa).

Neste tempo, seu marido já havia-se mudado para o Brasil, de modos a lhe preparar terreno para que pudesse vir depois. Portanto, os meses de cárcere devem ter-lhe custado o pior dos tormentos, privada da companhia do marido e dos filhos pequenos (àquela altura, em número de seis ou sete). Mesmo quando sua prisão foi relaxada, ficou impedida de deixar o país.

Mas Branca conseguiria escapar para o Brasil, não se sabe ao certo como, levando consigo as crianças. Decorriam já quase dez anos desde a separação do marido até que finalmente pudessem se reencontrar novamente, agora em Pernambuco.

E não se pense que este reencontro foi dos mais tranquilos. Ao contrário, Branca foi surpreendida ao saber que, enquanto estivera longe, Diogo manteve um relacionamento com a empregada, Madalena, vinda com ele de Portugal. Fruto desta união extraconjugal, nascera-lhe uma filha, Briolanja. Apesar da decepção inicial, Branca perdoa o marido e permite que tanto Madalena quanto Briolanja continuem vivendo em sua casa.

Mas nem tudo foi tristeza naqueles anos. Diogo havia recebido do donatário uma sesmaria para construir seu engenho, em sociedade com outro cristão-novo, Pedr’Álvares Madeira, perito na moagem da cana e produção do açúcar. Nesses anos que passara sozinho, havia prosperado e, além do engenho, possuía uma casa das mais confortáveis em Olinda. Ali passava seus fins de semana e a partir da chegada de Branca, começaria junto aos demais membros da família a celebrar o Shabat ao cair da tarde das sextas-feiras. E a vida seguiu em ritmo tranquilo, a família crescendo, os ritos judaicos realizados sem maiores percalços, apenas um pouco de discrição aqui, alguma dissimulação acolá, inclusive constando de idas frequentes às missas na Matriz do Salvador.

Mas o relativo sossego não perduraria por muitos anos. Por volta de 1554, o engenho é atacado e destruído pelos índios. A ruína do casal foi, inclusive, objeto de uma carta escrita por Jerônimo de Albuquerque, cunhado de Duarte Coelho, ao rei de Portugal, intercedendo para que socorresse Diogo.

Branca Dias decide, então, abrir uma escola de moças em Olinda, com o intuito de ajudar no orçamento doméstico. Eram muitas bocas a alimentar, pois o casal já tinha sua prole completa, constituída por três filhos e oito filhas, dentre os quais, Brites, que nascera corcunda e deficiente mental, e Manoel Afonso, sem os braços. Estas crianças foram, inclusive, alvo de atenção especial dos pais. Branca, pessoalmente, ensinou Manoel Afonso a escrever com os dedos dos pés; e, para Brites, guardou a digníssima função de ser a “guardiã da Torá”, coisa que não é comum de ser designada às mulheres.

A casa onde moravam e onde Branca ministrava as aulas ficava na Rua dos Palhais, onde residiam alguns dos nomes de maior prestígio na sociedade olindense. Precisamente ali, mantinham também a sinagoga secreta, isto é, “faziam esnoga”. Um dos amigos da época, Thomas Lopes, era encarregado de desfilar pelas ruas, conclamando os fiéis para as festas e para o Shabat, usando como sinal um pano amarrado aos pés.

A sessão seguinte descreve a casa atual onde provavelmente existiu a esnoga quinhentista. Antes, porém, recomendamos um cuidado especial ao leitor, para que não se confunda a Branca Dias de que estamos falando, com pelo menos duas outras.

Uma dessas teria vivido cerca de duzentos anos após sua homônima de Olinda, e foi alvo das perseguições de um clérigo local, sendo por fim queimada pela Inquisição. É sobre esta “Branca Dias da Paraíba” que Dias Gomes escreveu sua famosa peça de teatro, “O Santo Inquérito”, levada aos palcos brasileiros na década de 1970 (com Regina Duarte no papel da protagonista). Houve, ainda, uma “terceira” Branca Dias, personagem de um romance ficcional escrito no século 19, por Joana Maria de Freitas Gamboa, uma senhora de família tradicional recifense, que a descreve como protagonista na Guerra dos Mascates, acontecida em 1710.

Diferentemente da Branca da Paraíba e da Branca dos mascates, a “nossa” Branca Dias, a de Olinda, morreu de causas naturais em 1589, já com idade avançada para os padrões da época. Para sua fortuna, não testemunharia a chegada do visitador do Santo Ofício à capitania de Pernambuco, quatro anos depois.

Mesmo assim, nos livros das denunciações, seu nome, assim como o de Diogo Fernandes e os dos filhos e netos, constaria como dos mais frequentes. Nem mesmo a pobre e doente Brites escaparia do furor inquisitorial, sendo presa e enviada a Portugal, onde morreria como mendiga, perambulando pelas ruas de Lisboa.

A sinagoga da Rua dos Palhais

O imóvel da Rua Bispo Azeredo Coutinho, 526, apresenta indícios de estar no local onde viveu Branca Dias e a família. Por conseguinte, pode ter sido palco da primeira sinagoga constituída nas Américas. Conforme as “denunciações”, registradas nos livros do Santo Ofício, Branca e Diogo viviam na Rua dos Palhais. Há controvérsias a respeito da localização desta rua, havendo quem afirme que se trate da mesma Rua Nova, onde moravam alguns dos mais ricos olindenses, tais como os cristãos-novos João Nunes e Duarte de Sá, mercadores e financiadores de açúcar.

A confusão dos nomes advém da própria leitura dos livros da Inquisição. Em alguns dos depoimentos, o logradouro é anotado como “Rua do Salvador”; em outros, “Rua detrás da Sé”, “Rua principal da vila”, “Rua que vai da Matriz para o Colégio de Jesus”, confundindo-se, pois, com a Rua Nova, que tem epítetos semelhantes. Ao que tudo indica, as duas ruas, Palhais e Nova, podem ter sido uma a continuação da outra, sendo a primeira, a que corresponde ao trecho que passa ao lado da Sé e desce até o Seminário de Olinda (antigo Colégio Real Jesuíta). A Rua Nova seria, então, o prolongamento na direção da Ladeira da Misericórdia.

Em todo caso, é certo que habitavam perto da Igreja do Salvador (atual Igreja da Sé). Ora, é sabido que o casal congregava a comunidade a fazer esnoga, às sextas-feiras, e que escondiam uma Torá de tamanho reduzido. Ao que tudo indica, formavam um minian e também possuíam uma micvá. Muitas das denúncias que foram feitas após a morte de Branca foram levantadas por suas ex-alunas.

As evidências de que o atual imóvel seria a casa da sinagoga não param apenas na especulação locativa. Em seus jardins, há uma inusitada piscina de época, que pode ter sido precisamente a micvá dos Fernandes. Como se não bastassem os indícios, observa-se que a fachada do imóvel atual exibe no testado uma instigante figura em alto-relevo que lembra uma Torá. Este tipo de decoração não é comum nas fachadas em estilo neoclássico ou eclético que ainda hoje existem nos bairros tradicionais do Recife e de Olinda, remanescentes do final do século 19 e começo do século 20. Seria apenas uma coincidência?

O atual proprietário da casa, Marcos Antônio Gomes, conhecido como “Marcos de Olinda”, não sabe precisar a origem da piscina nem da decoração da fachada. A sua “Galeria de Art & Artesanato São Salvador” foi instalada após a compra do imóvel ao renomado artista olindense, Giuseppe Baccaro.

Como se sabe, em 1631, a Vila de Olinda foi arrasada pelo incêndio cometido pelos holandeses, logo após a invasão. Um único imóvel restaria inteiro àquela tragédia, não se sabe exatamente qual, além de algumas igrejas em destroços. Dificilmente um prédio daquela época conservaria seu estado original. Assim, como aconteceu a praticamente todas as velhas residências quinhentistas, os imóveis seriam reconstruídos ou restaurados inúmeras vezes até chegarem aos seus formatos atuais.

No pátio interno da casa, um portal construído com tijolos aparentes, ligados por uma espécie de argamassa, demonstra ter sido alvo de intervenções nos últimos anos, fato que se percebe ao olhar de perto e verificar que alguns dos tijolos são ligados por cimento comum. Este portal dá acesso à piscina, cujos elementos constitutivos são de épocas diversas, mas, seguramente, as pedras do fundo são do século 16 (apresentando incrustações de mariscos, provavelmente retiradas dos arrecifes de Olinda).

A comprovação de que a piscina teria sido ou não uma micvá quinhentista não será uma tarefa fácil. As medidas exatas que determinariam sua autenticidade – e que são requeridas pelos rabinos de hoje – dificilmente foram respeitadas naqueles tempos difíceis, em um ambiente em que não se podia praticar o judaísmo às abertas, e onde os costumes eram arrefecidos ou pelas distâncias aos centros europeus ou pelas rudezas típicas de uma terra ainda tão nova.

Se a casa em questão representa de fato o local da antiga sinagoga de Branca Dias, bem, deixemos que o tempo traga a resposta.

1 Cristãos-novos: judeus  convertidos ao cristianismo na Europa. De modo específico, o termo alude aos judeus convertidos à força em Portugal entre o final do século 15 e o começo do século 16 .
2Esnoga: Sinônimo de sinagoga. É frequente usar este termo para designar pequenas sinagogas improvisadas no interior das casas.
3 Judaizar: praticar o judaísmo (secretamente).
4 Criptojudeus: Cristãos-novos que continuavam a praticar secretamente o judaísmo, sob constante ameaça de serem delatados à Inquisição.

Cronologia de Branca Dias:

1515 (ou data anterior):Nasce Branca Dias na cidade portuguesa de Foz do Lima.
1535: Vinda de Diogo Fernandes para Pernambuco; Branca permanece em Portugal.
1542:Diogo recebe do donatário uma sesmaria para construção de um engenho (Camaragibe).
1543: Branca Dias é presa pela Inquisição em Lisboa.
1545 (circa): Branca Dias chega a Olinda.
1554 ou 1555: O engenho é atacado e arrasado pelos índios. Branca abre uma escola de moças para ajudar no orçamento da família.
1565: Morre Diogo Fernandes.
1562:Branca aceita fazer uma sociedade com Bento Dias, de modo a salvar o engenho Camaragibe (também chamado de  Santiago) da ruína.
1589: Morre Branca Dias, de causas naturais.
1593 a 1595: Branca Dias e seu marido são alvo de diversas denúncias post mortem, quando da Visitação do Santo Ofício a Pernambuco.

Esnogas quinhentistas de Pernambuco

1.         Esnoga de Olinda, do casal Branca Dias e Diogo Fernandes;
2.         A sinagoga do mesmo casal, localizada no Engenho Camaragibe;
3.         A sinagoga de Miguel Henriques, nos limites da Vila;
4.         A sinagoga do roçado de Diogo de Paiva, em Tejucupapo, Capitania de Itamaracá;
5.         A esnoga de Fernão Soares;
6.         A esnoga da roça do Capibaribe, de Manoel Rodrigues Monsanto;
7.         A esnoga que ficava no partido de canas de Pedro da Costa Caminha;
8.         A esnoga do engenho São Martinho;
9.         A esnoga do engenho São Bento, de propriedade de Ambrósio Fernandes Brandão.

Jacques Ribemboim é professor da UFRPE e presidente da Synagoga Israelita do Recife (jacquesribemboim@oi.com.br)
Semira Adler é pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco (semiraadler@gmail.com)
Desenhos em nanquim : Cavani Rosas, 2011
Fotografias: Jacques Ribemboim, 2011.