Morashá
POETISA E HEROÍNA Foto Ilustrativa

POETISA E HEROÍNA

Hannah Szenes nasceu em Budapeste, na Hungria, no seio de uma abastada família de intelectuais judeus. Seu pai, Bela Szenes, escritor e jornalista de sucesso, morreu quando ela e Giora - seu único irmão, um ano mais velho - eram ainda muito jovens. Hannah tinha apensa seis anos e sua mãe, Katherine, teve que cria-los sozinha.

Edição 38 - Setembro de 2002


Durante a infância, Hannah teve pouco contato com o judaísmo, pois seus pais, assim como muitos judeus húngaros, haviam-se assimilado totalmente ao meio circundante.
Hannah era uma criança especial. Desde pequena demonstrava a força de caráter que moldou sua vida, sempre dizendo que queria “fazer uma diferença, no mundo”. Brilhante desde a infância, logo demonstrou um notável talento literário especialmente para a poesia, primeiro em húngaro e, posteriormente – após se tornar uma ardente sionista – em hebraico. Com 13 anos iniciou um diário no qual registrou seus pensamentos e os acontecimentos que marcaram sua curta vida. É através de suas palavras no diário e de suas poesias que Hannah se revela. 
Sua vida em Budapeste

Hannah e seu irmão receberam uma excelente educação, freqüentando as melhores escolas de Budapeste. Até completar dez anos, a menina, excelente aluna, estudou em escola pública de Budapeste, até conseguir ser aceita em uma escola particular protestante, só para meninas. A escola havia recentemente aberto suas portas a católicos e judeus, desde que pagassem uma mensalidade maior. No caso de uma jovem católica, a escola cobrava o dobro da mensalidade “normal” e, quando se tratava de uma judia, o triplo. Apesar do crescente anti-semitismo na Budapeste da década de 30, a mãe de Hannah nunca cogitou colocar os filhos em uma escola judaica. 
Foi nesta escola protestante que Hannah começou a conhecer e amar o judaísmo. Um de seus professores era o rabino-chefe de Budapeste, Imre Benoschofky. Grande estudioso e ardente sionista, o rabino Benoschofky teve uma profunda influência sobre o nascente interesse da jovem pelo judaísmo e sionismo, por tudo que dizia a respeito de seu povo. Foi também nesta escola que Hannah teve seus primeiros contatos com o anti-semitismo e com a discriminação imposta aos judeus. 
A década de 1930 foi difícil para os judeus da Europa, um prelúdio do terrível pesadelo que iria abater-se sobre a população judaica da região. Após a Primeira Guerra Mundial, um crescente sentimento anti-semita começava a tomar conta da Hungria. Assim como em outras partes da Europa, os judeus eram vistos como os “grandes responsáveis“ por todos os males do país. O crescente anti-semitismo oficial resultara na promulgação de uma dura legislação antijudaica .
Na época, Hannah era uma jovem bonita, talentosa e decidida. Ao completar 17 anos foi eleita presidente da sociedade literária da escola, mas não assumiu o posto, pois foi informada de que jamais uma judia poderia assumir a presidência de tal – ou de qualquer outra – sociedade. Na ocasião, a jovem escreveu em seu diário: “Você precisa ser alguém excepcional para lutar contra o anti-semitismo... Só hoje comecei a realmente entender o que significa ser judeu em uma sociedade cristã. Mas eu não me importo. É porque temos sempre que lutar muito por tudo que queremos; é porque é sempre mais difícil para nós, judeus, atingirmos nossos objetivos que acabamos desenvolvendo qualidades excepcionais... Se eu fosse cristã, todas as profissões estariam abertas para mim”.
Hannah sabia que se tornar cristã, como lhe havia sido sugerido e como outros haviam feito, não era uma opção para ela. Ao invés de se converter, abandonou a sociedade literária, cortando todos os vínculos que tinha com a entidade. Na mesma época tornou-se membro de um grupo sionista jovem e muito ativo, os Macabim. No final de outubro de 1938, escreveu em seu diário: “Tornei-me sionista e esta palavra tem para mim inúmeros significados. Agora sinto de uma forma consciente e profunda que sou judia e muito orgulhosa de o ser. Minha meta é ir para Eretz Israel e tudo farei para consegui-lo”.
Em março de 1939 Hannah se formou. Era uma das melhores alunas da classe e seus professores tentaram fazê-la desistir da idéia de deixar a Hungria e ir para Eretz Israel, pois acreditavam que ela devia tornar-se cristã e, com suas notas,poderia ingressar na universidade e ter “um futuro promissor”. Mas a jovem estava mais do que decidida. Assim que recebeu a resposta de sua admissão em uma escola agrícola em Nahala, embarcou rumo ao seu sonho – a Terra de Israel. Era setembro de 1939 e a Alemanha já iniciara sua campanha mortífera contra a Europa e os judeus. 

Sonho realizado

Ao chegar em Eretz Israel, Hannah escreveu sua primeira carta para a mãe revelando sua felicidade por lá estar: “Estou em casa. Aqui é para onde me trouxe a minha ambição de vida – poderia dizer minha vocação, porque sinto que, por estar aqui, estou cumprindo uma missão, não apenas vegetando; aqui cada vida é o cumprimento de uma missão.” Para completar sua alegria, seu irmão Giora juntou-se a ela poucos meses depois. 
Em 1941 Hannah integrou-se ao Kibutz Sdot Yam, perto de Cesáreia, e se alistou na Haganá. No ano seguinte, entrou para o Palmach, braço armado da Haganá. Enquanto estava em Sdot Yam, Hannah escreveu várias poesias e uma peça sobre a vida no kibutz. Mas as terríveis notícias sobre a situação dos judeus na Europa a deixavam angustiada e preocupada. Assim como todos em Eretz Israel, ela sentia que devia fazer algo para ajudar os judeus europeus. Estava também preocupada com sua mãe, que ainda vivia em Budapeste. Hannah queria de alguma forma voltar para a Hungria para salvar a mãe e ajudar a organizar a saída de judeus – especialmente os jovens – do país e da Europa. Em 1943, um milhão e duzentos e cinqüenta mil judeus ainda estavam vivos na Hungria, Eslováquia, Romênia e Bulgária. 
Em 1943, Hannah se alistou no exército britânico para poder participar da luta contra os nazistas, voluntariando-se para uma operação de salvamento. O projeto se originara nas pesadas perdas sofridas por bombardeiros aliados durante os ataques. Os britânicos estavam convencidos de que havia necessidade de mais informações sobre as defesas alemãs. Diante disso, a liderança da Haganá fez uma proposta à Grã Bretanha: judeus com ligações nessas regiões poderiam ser lançados de pára-quedas, sobre a Europa, para exercer a dupla função de agentes secretos, ajudando os Aliados na Europa, e, ao mesmo tempo, tentar organizar alguma forma de resistência nas comunidades judaicas. 
Depois de muita hesitação, os britânicos aprovaram o plano e 32 judeus palestinos – 30 homens e 2 mulheres – foram aceitos para a missão. Hannah estava entre os primeiros a se alistar. Os britânicos levaram os jovens para o Cairo, no Egito, onde foram treinados. Todos que haviam-se voluntariado para a missão eram nativos das regiões para as quais seriam eventualmente enviados, falavam as línguas fluentemente e ainda tinham parentes nesses países. Ninguém punha em dúvida a coragem e a bravura dos jovens; todos sabiam que a missão era muito perigosa e que poucos retornariam com vida. Hannah incentivava seus companheiros, dizendo: “Somos os únicos a poder ajudar, não temos o direito de pensar em nossa própria segurança; não temos o direito de hesitar, de ter medo... é melhor morrer com a consciência do dever cumprido do que voltar sabendo nem haver tentado”.

A missão

Em março de 1944, uma semana antes de que os alemães ocupassem a Hungria, Hannah e mais quatro pára-quedistas foram lançados por aviões aliados sobre a Eslovênia, rumo a Budapeste. Esperavam conseguir, com a ajuda dos partisans de Tito, atravessar a fronteira da Hungria. Hannah ficou três meses com este grupo para que a ajudassem a chegar até a Hungria. Foi nesta época que ela escreveu um de seus mais famosos poemas – “Abençoado o fósforo”.

No dia 7 de junho de 1944, no período da mais intensa deportação de judeus húngaros pelos nazistas, Hannah cruzou a fronteira da Hungria. Atravessou com dois companheiros e alguns guias mais de 450 quilômetros de território controlado pelas tropas alemãs. As ordens britânicas eram precisas: primeiro deveriam ser socorridos os pára-quedistas britânicos em mãos dos nazistas. Só depois de completar esta missão os jovens poderiam ajudar os judeus locais.

Mas toda a missão chegou bruscamente ao fim poucos dias após sua chegada. Traída por um informante – um dos partidários de Tito que fazia parte do grupo – Hannah foi capturada pela polícia húngara. No momento em que foi detida, estava de posse de um rádio transmissor. 

Presa, foi levada para uma prisão em Budapeste. A Gestapo e o serviço de contra-espionagem húngaro a interrogaram e torturaram brutalmente durante vários meses. Queriam que ela revelasse detalhes de sua missão e o código britânico de rádio. Mas Hannah não revelou qualquer informação. Na tentativa de fazê-la falar, a polícia prendeu no dia 17 de junho sua mãe, Katherine Szenes, que ainda vivia em Budapeste, acreditando que seus filhos estivessem a salvo em Eretz Israel. Ameaçaram a jovem de torturar sua mãe na sua frente e depois matá-la. Mesmo assim, Hannah não cedeu e não revelou o código. No primeiro dos poucos encontros que teve com a mãe, apesar de ferida pelas torturas e espancamentos, pediu que a mãe compreendesse por que tinha que ficar calada – não poderia trair seu povo. “Mãe, me perdoa” disse, chorando, a jovem à mãe que a olhava sem acreditar no que via: sua filha, naquela prisão, presa e ferida, e não a salvo em Eretz Israel. No fundo de seu coração Katherine sabia que – apesar de Hannah negar o fato – sua filha voltara à Hungria por sua causa, para tentar salvá-la. Enquanto na prisão, vários dos detentos contaram para Katherine quão gentil e bondosa era a jovem; contaram que antes de sua chegada, haviam perdido toda e qualquer esperança, mas que ela era uma como uma luz na escuridão, que transmitia a todos a força para continuar a lutar e a ter fé. Ela cantava, ensinava músicas, danças, o hebraico. Contava sobre Eretz Israel, a história de sua Terra, a esperança no futuro, a esperança do dia da vitória do povo de Israel. Um deles escreveu: “Sua atitude frente à Gestapo e às SS foi memorável. Ela sempre parava à sua frente, alertando-os sobre o destino que teriam após sua derrota. Curiosamente, aqueles animais selvagens, dos quais qualquer traço de humanidade parecia ter desaparecido, sentiam-se envergonhados na presença dessa jovem refinada e corajosa”. 

Convencidos de que a jovem não falaria e sentindo que os alemães estavam prestes a serem derrotados, a policia húngara acabou libertando Katherine Szenes em Yom Kipur.

O julgamento

Depois de cinco meses na prisão, no dia 28 outubro de 1941, Hannah foi levada a um suposto julgamento, acusada de “traição” contra a Hungria. O “julgamento” ocorreu apesar de ser evidente desde setembro que a Alemanha estava perdendo a guerra, e que a Hungria queria libertar-se do jugo nazista.

Durante o “processo” ela defendeu com firmeza suas ações e seus ideais. Recusou-se a pedir clemência. Corajosa até o fim, foi executada por um pelotão de fuzilamento no dia 7 de novembro. Na hora da execução não quis colocar a venda sobre os olhos, queria encarar seu destino e seus carrascos. Prisioneiros que testemunharam a sua execução ficaram emocionados com tanta coragem. Suas últimas palavras para os companheiros foram: “Continuem no caminho, não se deixem deter. Continuem a luta até o fim, até que a liberdade chegue, o dia da vitória para o nosso povo”. Hannah tinha somente 23 anos. 

Poucos dias depois os russos tomaram Budapeste, prendendo ou matando todos os nazistas ou aqueles que os haviam apoiado. Sua mãe conseguiu sair de Budapeste e foi juntar-se ao filho Giora, em Israel.

Hannah se tornara um símbolo de heroísmo e dedicação. Sua coragem pessoal foram fonte de inspiração e estímulo para os judeus da Europa, mesmo que ela e seus companheiros não tivessem tido sucesso em suas missões. Sua imagem jovem e radiante, usando o uniforme militar, podia ser vista nas casas de cada cidade e vilarejo de Eretz Israel.

Em 1950, os restos mortais de Hannah foram levados a Israel e novamente enterrados, com honras militares, no cemitério militar localizado no Monte Herzl. Um vilarejo foi nomeado Yad Hannah em sua homenagem. Seu diário e seus trabalhos literários foram publicados em hebraico, em 1945, sendo posteriormente traduzidos para vários idiomas, inclusive o húngaro. Ela foi também tema de inúmeros trabalhos artísticos, entre os quais uma peça teatral de autoria do escritor israelense Aharon Megged e um filme. Vários poemas de autoria de Hannah, entre os quais “A caminho de Cesaréia” e “Abençoado o fósforo” foram musicados.n 

Bibliografia
Sachar, Abraham, The Redeption of the Unwanted
Slater, Elinor and Robert, Great Jewish Women
Entrevista de Katherine Szenes a David Alster Yardeni, em 7 de maio de 1987, na internet.