Morashá
Grão Rabino Elio Toaff O rabino Elio Toaff acende as velas de chanucá na sinagoga de Roma, 1952

Grão Rabino Elio Toaff

Uma  das principais figuras do judaísmo italiano, o Rabino Elio Toaff foi, durante  cinco décadas, Rabino-Chefe da comunidade judaica de Roma. ajudou a reerguer o  espírito abatido dos judeus italianos, após o Holocausto, e trabalhou  assiduamente para promover o diálogo entre judeus e cristãos.

Edição 88 - Junho de 2015


O Grão Rabino Toaff faleceu no dia 19 de abril de 2015, dez dias antes de completar 100 anos.Era um homem sincero e afável, mas decidido. Era um homem culto, respeitado e admirado não apenas no seio da comunidade judaica italiana, mas também por pessoas de diferentes crenças religiosas e políticas. Ao falar sobre o pai, seu filho, Ariel Toaff, disse que durante sua vida, longa e produtiva, o Rabino Toaff havia feito muitas coisas ao mesmo tempo: foi um rabino ortodoxo e um estudioso, um líder espiritual e comunitário; tornou-se partigiano nas épocas mais negras do judaísmo italiano,lutando na resistência italiana antinazista e, no pós-guerra, trabalhou incessantemente na promoção do diálogo judaico-cristão.

O Grão Rabino Elio Toaff era casado com Lea Luperini e teve quatro filhos: Ariel, professor de História Medieval e do Renascimento, na Universidade Bar Ilan, em Israel; Daniel, jornalista na rede de televisão italiana, RAI; Miriam, que vive em Israel e é casada com o renomado professor Sergio Della Pergola; e Gadi, que vive em Salônica.

Sua vida

Elio Toaff nasceu em Livorno, em 30 de abril de 1915; era filho de Alice Jarach e do Grão Rabino de Livorno, Alfredo Toaff.

Estudou na Escola Rabínica de Livorno, sob a orientação de seu pai. Frequentou, ao mesmo tempo, a Universidade de Pisa, cursando Direito. Graduou-se em 1938, apesar das leis raciais fascistas1, que proibiam, entre outros, a professores judeus ensinar nas escolas e universidades, e a entrada de novo alunos judeus nas instituições de ensino não-judaicas. Essas leis determinavam, também, a expulsão dos alunos judeus de todas as universidades. A única exceção foram os alunos do último ano antes da graduação, que tiveram permissão de terminar o curso. Por ser judeu Toaff demorou a encontrar um professor disposto a supervisionar sua tese. E, na apresentação final, o decano da faculdade, Cesarini Sforza, jogou a toga no chão e saiu batendo a porta, pois afirmou que não podia admitir a possibilidade de um judeu obter um diploma universitário.

No ano seguinte, ele completou seus estudos religiosos, graduando-se em Teologia no Collegio Rabbinico di Livorno. Em 1941, foi nomeado Rabino-Chefe de Ancona, ficando no cargo até 1943.

Em setembro daquele ano de 1943, a Itália, até então aliada da Alemanha, cessou as hostilidades com os Aliados. Na manhã após o anúncio do chamado “Armistício de 8 de setembro”, a Wehrmacht e as SS, presentes em toda a península, iniciaram a ocupação dos principais centros do norte e centro da Itália até Roma, praticamente pondo em debandada o exército italiano, pego de surpresa pelo armistício. A maior parte das tropas italianas foi feita prisioneira e enviada a campos de concentração na Alemanha.

Com o poder em mãos dos nazistas, piora drasticamente a situação dos judeus da Itália. A Alemanha está decidida a implantar a Solução Final também naquele país e judeus italianos passam a ser deportados para campos de concentração.  O Rabino Toaff, sua esposa Lea e o filho Ariel conseguem fugir de Ancona e vão para Versilia, na região costeira localizada ao norte  da Toscana. Escapam graças à ajuda do um padre, que os alertou sobre os planos das SS. Em uma entrevista, contou o Grão Rabino Toaff:

“Nunca esquecerei quem me salvou, quando era rabino em Ancona. Eu morava a cerca de 100 metros da Igreja de Jesus, onde havia um padre, Don Bernardino, que se tornara meu amigo (...). Uma manhã, ao voltar da sinagoga, ele me parou na rua e disse para eu ter cuidado. Perguntei-lhe: ‘ Don Bernardino, o que aconteceu? ’ E ele: ‘Em tua casa há alemães te esperando; vem comigo’. Acompanhei-o e, assim, salvei minha vida e minha família”.

O Rabino Toaff e sua família eram obrigados a se mudar constantemente, recebendo a ajuda de famílias católicas, alertadas por Don Bernardino. Várias vezes,  ele escapou da morte. Em certa ocasião, escapou dos nazistas, refugiando-se em Città di Castello, da qual se tornou cidadão honorário em 1999.

Com o crescimento da oposição da população à ocupação alemã, são criados núcleos de partigiani – movimento guerrilheiro da resistência italiana. Naquele mesmo ano de 1943, o Rabino Toaff se tornou partigiano, lutando nas montanhas. Chegou a ser capturado pelos alemães, mas conseguiu escapar. Testemunhou as atrocidades  contra civis desarmados, judeus e não judeus. Numa entrevista,  falou sobre o massacre de Sant’Anna di Stazzema, localizada na Toscana, executado em 12 de agosto de 1944 pelas forças alemãs e colaboracionistas fascistas. 

A “ação” alemã tinha como  objetivo destruir a cidadezinha e exterminar a população para interromper qualquer conexão  entre as populações civis e os núcleos da Resistênciana área. “Na época,  eu era um partigiano em Versilia,  e entrei em Sant’Anna di Stazzema assim que os nazistas deixaram  o local. Encontrei-me diante  dos corpos empilhados de mais  de 500 pessoas – homens, mulheres e crianças, que queimavam no meio da Praça... São imagens que nunca poderei esquecer. (...) O massacre  foi a expressão de um ódio desmedido de seres humanos  contra outros seres humanos,  de um racismo que leva ao aniquilamento de qualquer um  que é diferente de você (...)”.

Pós-guerra

Terminada a guerra, em 1946, tornou-se Rabino de Veneza, passando, também, a dar aulas  de língua e literatura hebraica  na Universidade de Ca’ Foscari.

Em 1951, deixa Veneza para assumir o posto de Rabino-Chefe de Roma. Encontrou uma comunidade debilitada pelas perseguições, pela devastação nazista no gueto de Roma2, ocorridaem 16 de outubro de 1943, e pelas deportações dos judeus. O Rabino Toaff trabalhou incansavelmente para reerguer a comunidade judaica de Roma.

Além de seu papel espiritual,  ocupou vários cargos nas  instituições judaicas romanas e italianas. Entre outros, foi  Presidente do Tribunal Rabínico de Roma, diretor da Academia Rabínica Italiana e do Instituto Superior de Estudos Judaicos e diretor do Anuário de Estudos Judaicos. Foi também membro da diretoria executiva da Associação  dos Rabinos Europeus desde  sua fundação, em 1957. O Rabino Toaff deixou o posto de Rabino Chefe de Roma no dia 8 de outubro de 2001, aos 86 anos. Ele mesmo anunciou sua demissão, na sinagoga, ao final das orações de Hoshaná Rabá. Foi um anúncio que atingiu profundamente não só os judeus romanos, mas o judaísmo italiano inteiro. Sucedeu-o no cargo o Rabino Riccardo Di Segni.

O diálogo judaico-cristão

O Grão Rabino Toaff foi uma figura importante para o diálogo judaico-cristão, sendo de grande importância as relações que ele manteve com o mundo católico. As associações que promoveram esse diálogo sempre encontraram nele um interlocutor atento, sensível e envolvido.  Em suas palavras: “Durante o período de leis raciais e guerra... foram os padres, os mais simples e modestos, que passaram a demonstrar aos perseguidos sua solidariedade com fatos e não  com palavras...”. Em 1987,  o Grão Rabino Toaff publicou sua autobiografia: Perfidi giudei, fratelli maggiori (Mondadori, Milano), Judeus pérfidos, irmãos mais velhos, em tradução livre. No título do livro, o Rabino utilizou duas frases que marcam a longa e dolorosa trajetória das relações entre judeus e cristãos. A primeira expressão, “Perfidi giudei”,  fez  parte, desde o século  6º até o século 20, da liturgia católica da Sexta-feira Santa.  A segunda, “fratelli maggiori”,  foi a expressão utilizada pelo Papa João Paulo II, em sua histórica visita à Sinagoga de Roma, em abril de 1986, ao se referir ao Povo Judeu, abaixo descrita. Nesta autobiografia, o Rabino recorda os anos do pontificado de João XXIII e o Concílio Vaticano II, que, com a aprovação da declaração Nostra Aetate, deu novo rumo às relações entre as duas religiões, excluindo a responsabilidade coletiva dos judeus pela morte de Jesus e condenando todas as formas de antissemitismo.

A relação entre o Rabino-Chefe Elio Toaff e o Papa João Paulo II permaneceu estreita até a morte do Papa. O Rabino foi uma das três pessoas que João Paulo II mencionou em seu testamento espiritual. O primeiro encontro oficial do Rabino Toaff, então Rabino-Chefe de Roma, com o Papa João Paulo II ocorreu no dia 8 de fevereiro de 1981, na Reitoria da Igreja de San Carlo Catinari, perto de Gueto de Roma. Em 1986, o Papa expressou seu desejo de visitar a sinagoga da cidade. Uma das mais poderosas imagens que marcaram a relação entre as duas religiões foi a que retrata o Rabino-Chefe Elio Toaff trajando as vestes brancas tradicionais ao receber, na Sinagoga de Roma, o Papa João Paulo II, em 13 de abril de 1986. Era a primeira vez que um pontífice ia a uma sinagoga.

Sobre essa reunião, o Rabino mais tarde escreveria: “Juntos entramos na sinagoga. Passei em meio ao público, em silêncio, o Papa ao meu lado, por trás dos cardeais, prelados e rabinos de pé: uma procissão incomum e certamente única na longa história da sinagoga. Subimos na Tebá, viramo-nos em direção ao público, que, em seguida, explodiu em aplausos. Um aplauso muito longo e libertador, não só para mim, mas para todos os presentes, que finalmente perceberam a importância daquele momento (...). Chegou  um ponto em que o tributo se tornou ensurdecedor, quando o Papa disse: ‘Vocês são nossos irmãos favoritos e, de certa forma, poder-se-ia dizer, nossos irmãos mais velhos (...)’ ”.

O Papa Bento XVI também prestou homenagem à sua autoridade moral. Em janeiro de 2010, na segunda visita de um pontífice a uma sinagoga, antes de entrar na Sinagoga de Roma – onde o esperava o sucessor do Rabino Toaff, Riccardo Di Segni – o Papa Bento XVI se deteve diante da casa de Toaff, então Rabino Emérito de Roma, onde ocorreu o encontro entre os dois.
O Rabino Toaff era um homem respeitado e admirado por todos os segmentos da sociedade italiana. Estiveram presentes na Sinagoga  de Roma para uma última despedida, antes do corpo do Rabino Toaff ser levado para Livorno, onde foi sepultado, ao lado do túmulo de sua esposa, Lea, membros da comunidade judaica de Roma assim como políticos, ministros, líderes sindicais, padres e representantes da Cúria romana. Giorgio Napolitano,  o 11° Presidente da República Italiana, que deixou o cargo no final de 2014, referiu-se a ele, na ocasião, como uma “importante figura do antifascismo italiano”.

No cemitério de Livorno, uma multidão comovida assistiu a seu enterro, entre eles o prefeito da cidade, Philip Nahid; o embaixador de Israel, Naor Gilon; e o ministro Stefania Giannini, que declarou que, há décadas, o Rabino Toaff vinha ensinando que a compreensão mútua era a base para uma coexistência pacífica entre homens de diferentes crenças.

1 A campanha racista e antissemita do governo de Mussolini começou oficialmente em 15 de julho de 1938, quando o governo publicou o “Manifesto da Raça”.

2 Esta foi a primeira deportação de judeus do país. Dos 1.024 que foram detidos e levados aos campos de extermínio nazista da Europa, apenas 16 sobreviveram.