Morashá
A HAGADÁ DE SARAJEVO Foto Ilustrativa

A HAGADÁ DE SARAJEVO

Depois de séculos, a odisséia da chamada “Hagadá de Sarajevo” chegou ao fim. O mais conhecido dos manuscritos judaicos, obra-prima das mais belas do judaísmo medieval, está sendo finalmente exibido ao público no Museu Nacional de Sarajevo, na Bósnia.

Edição 40 - Março de 2003


Encomendado para ser um presente de casamento, o manuscrito é de um requinte extraordinário, tendo sido confeccionado para caber na palma da mão. É composto por 109 páginas de pergaminho branco, cuidadosamente manuscritas e decoradas com iluminuras em ouro e bronze e cores vivas, como vermelho e azul. Produzida de acordo com as tradições sefaraditas, em estilo gótico-italiano predominante à época, na Catalunha, a Hagadá contém o brasão do Reino de Aragão.

O documento, cujo texto foi inserido em painéis com iniciais decoradas, além de piyutim decorados, possui 34 miniaturas de página inteira. Estas representam uma variedade de assuntos, incluindo a Criação, Moisés no Monte Sinai com as Tábuas da Lei, além de ilustrações estilizadas do Grande Templo e de uma sinagoga espanhola. Marcas de seu uso em sedarim passados podem ser vistas em alguma de suas páginas. São manchas de vinho, anotações de adultos e rabiscos de crianças.

História

Em 1492, com a expulsão dos judeus da Espanha, iniciou-se a odisséia dos judeus sefaraditas em busca de um novo lar. A Hagadá também compartilhou este destino. Esteve na Itália, em Dubrovnik e, finalmente, no início do séc. XVI chegou a Sarajevo, na atual Bósnia, onde permaneceu até a atualidade, apesar de todos os percalços. Naquela época Sarajevo fazia parte do Império Otomano e seus governantes concordaram em acolher os judeus vindo da Espanha. Em 1566, o paxá Sijavus permitiu a construção de uma sinagoga, considerada até hoje uma das mais importantes construções históricas de Sarajevo. 

O manuscrito ficou esquecido durante séculos, longe dos holofotes, fazendo parte da vida de uma família judia da cidade - os Cohens. Séculos mais tarde, devido a uma série de problemas financeiros enfrentados pela família, o documento reapareceu no cenário histórico. Em 1894, um de seus descendentes o vendeu por uma ninharia e o manuscrito medieval passou a fazer parte do acervo do recém-fundado Museu Nacional da Bósnia. 

No final do século XIX, a Bósnia fazia parte do Império Austro-húngaro. Por isso, após ter adquirido a Hagadá, o Museu a enviou a Viena para ser analisada por peritos, lá permanecendo por mais de uma década. Por causa da morte do especialista que deveria avaliá-la, a Hagadá ficou praticamente esquecida em seu estúdio. Só retornou ao Museu de Sarajevo após o término da Primeira Guerra Mundial, depois de inúmeras solicitações da instituição. Desde então, passou a ser conhecida como a “Hagadá de Sarajevo”, famosa entre os colecionadores de manuscritos raros.

Mas as aventuras da Hagadá de Sarajevo estavam longe de terminar. O século XX foi o mais conturbado na história do manuscrito. Em abril de 1941, quando os nazistas entraram em Sarajevo, um general alemão foi ao Museu para “confiscar” a obra. Exigiu do curador croata Jozo Petricevic que a entregasse imediatamente. Conta-se que Petricevic teria respondido: “O senhor me desculpe, general, mas um de seus coronéis veio ontem e levou o manuscrito”. “Qual era o nome do coronel?”, perguntou o general. Ao que Petricevic respondeu: “Não nos foi permitido perguntar o nome dele”. O general alemão ordenou uma busca imediata no Museu, mas nada foi encontrado. 

A Hagadá, no entanto, já estava bem longe. Petricevic – arriscando sua própria vida e a dos que o ajudaram – entregou-a a um professor muçulmano que a escondeu em um lugar seguro, num vilarejo nas montanhas da Bósnia.

O oficial da Gestapo, porém, confiscou outros documentos valiosos, retirando-os dos Arquivos da Comunidade Judaica de Sarajevo, entre os quais os chamados “Pinkes”, ou seja, anais, como por exemplo os da comunidade sefaradita de Dubrovnik, datados a partir de 1600. Esta foi uma perda irreparável para a cultura judaica e croata.

Enquanto a fúria nazista matava milhões de judeus, a Hagadá estava a salvo. Há quem diga que estava escondida sob o pavimento de uma mesquita; outros, debaixo do assoalho de uma casa. 

Durante a guerra civil de 1992 a 1995, na Bósnia-Herzegovina, o manuscrito novamente desapareceu. Mais uma vez, teve que ser salvo da destruição. As forças sérvias da Bósnia mantiveram Sarajevo sob acirrado cerco e pesado bombardeio durante três anos. O museu estava na linha de fogo e foi várias vezes atingido. Nesse conflito, o manuscrito foi salvo por um funcio-nário muçulmano que o escondeu até o final da guerra.

Na época, vários rumores circularam em Sarajevo a respeito do destino da preciosa Hagadá. Alguns afirmavam que o governo a teria vendido para comprar armas; outros acreditavam estivesse em um estado tão lastimável que o governo tinha vergonha de exibi-la. Em Pessach de 1995, finalmente o manuscrito foi exibido para a comunidade judaica de Sarajevo pelo então presidente Alija Izetbegovic e pelo ministro da cultura. No entanto, ambos se negaram a revelar o local onde estivera guardado.

Durante todo o século XX, a Hagadá só foi exposta em três ocasiões: em 1965, 1988 e 1995. 

É considerada por especia-listas como um dos mais valiosos objetos sacros judaicos. Há alguns anos, a comunidade judaica da Bósnia fez um apelo às Nações Unidas para que ajudasse na restauração e preservação do manuscrito. O pedido foi feito durante uma visita de uma missão da ONU ao país, encabeçada pelo diplomata norte-americano Jacques Paul Klein, que respondeu prontamente implantando um amplo programa de restauro, encerrado no ano passado. A Hagadá está em exibição em uma sala especialmente construída com doações internacionais e locais. O custo total deste projeto foi de aproximadamente US$ 120 mil. O manuscrito foi restaurado na Academia Estadual de Belas Artes de Stuttgart, sob a coordenação do perito Andrea Pataki, com ampla experiência em documentos raros em Israel e nos Estados Unidos. 

A comunidade judaica da Bósnia-Herzegovina possui atualmente cerca de mil membros. Segundo Jakob Finci, presidente da comunidade, a construção de um lugar especial para a Hagadá possui um significado muito grande para todo o país. Na noite de inauguração da exibição, ele afirmou que “a odisséia da Hagadá de Sarajevo chegou ao fim. O manuscrito está em casa. Testemunhou a coragem, a determinação e o triunfo da humanidade sobre o espírito do mal, permanecendo como um símbolo de esperança e tolerância”.

Bibliografia:
• Hebrew Illuminated Manuscripts
• Washington Times, UN Report , 9 de dezembro de 2002
• Discurso de Jacques Paul Klein, chefe da delegação da ONU, na Inauguração da sala especial que guarda a Hagadá de Sarajevo, 2 de dezembro de 2002, Museu Nacional de Sarajevo.