Morashá
MUNIQUE, 1972 Foto Ilustrativa

MUNIQUE, 1972

Nenhum outro atentado terrorista contra um alvo israelense chamou mais atenção, na época, do que o dos Jogos Olímpicos de Munique, em setembro de 1972. Enquanto um grupo de terroristas do Setembro Negro matava dois atletas israelenses e seqüestrava outros nove, na Vila Olímpica, o mundo inteiro assistia pela televisão a cobertura das Olimpíadas.

Edição 45 - Junho de 2004


Os reféns israelenses acabaram sumariamente mortos pelos terroristas, durante uma mal-sucedida operação de resgate, em uma base aérea da Alemanha Ocidental.

5 de setembro de 1972 - Connolly Strasse, 31

4:30h - Devido a graves falhas na segurança, oito terroristas palestinos entram, com facilidade, na Vila Olímpica, usando máscaras e carregando sacolas com metralhadoras e granadas. Invadem o alojamento das delegações de Israel, Hong-Kong e Uruguai, mas seu único objetivo eram os atletas israelenses.

Um homem bate na porta do apartamento. Em alemão precário, grita: "É esta a equipe israelense?" Moshe Weinberg, de 33 anos, treinador do time de luta israelense, que dividia o apartamento com os outros atletas do país, ficou assustado com as batidas. Abre uma fresta na porta e, sentindo o perigo, joga-se contra a mesma e tenta fechá-la, à força. "Rapazes, saiam!", grita em hebraico. Gad Zavarj, lutador e colega de quarto de Weinberg, pula da cama. Os terroristas não têm como fazer com que Weinberg saia da frente da porta, então um deles atira com uma AK-47 e o acerta no peito e no pescoço. Os terroristas abrem a porta e atiram em Zavarj, que tentava fugir. Erram. Os terroristas atravessam o quarto de Weinberg e vão até os outros dois apartamentos, onde mais israelenses dormem.

Baleiam Joe Romano, campeão de levantamento de peso. Enquanto isso, outros israelenses, que tinham ouvido os gritos e o tiroteio, correm para se vestir e tentar fugir.

Os terroristas conseguem capturar nove israelenses. Amarram seus pés e mãos com cordas e os forçam a entrar em um quarto no terceiro andar. O corpo de Romano foi arrastado para dentro do quarto, como exemplo do que poderia acontecer aos reféns.

9:00h - Os terroristas deixam um bilhete na janela do prédio onde mantêm presos os atletas. Exigem a libertação de 234 terroristas palestinos detidos em prisões em Israel e de outros dois, recém-capturados na Alemanha Ocidental, em troca da vida dos nove israelenses. Ameaçam executar dois reféns a cada hora, se as exigências não forem cumpridas.

Os terroristas pertenciam à organização palestina "Setembro Negro". Embora os atos de terror palestino contra Israel não fossem novidade, nenhum teve o efeito dramático deste, perpetrado contra atletas olímpicos e com cobertura, ao vivo, de toda a imprensa mundial. A operação fora planejada durante uma reunião do grupo em Beirute, Líbano, em janeiro daquele ano.

O mesmo Avery Brundage, que se deslumbrara com o poderio nazista durante os Jogos de Berlim de 1936, estava novamente em solo alemão, decidindo que atitude deveria ser tomada em relação a atletas judeus. Desta vez, presidia o Comitê Olímpico Internacional (COI). Ao enfrentar a pior crise na história dos modernos jogos olímpicos, Brundage tomou a mais controvertida decisão de sua carreira. Ao tomar conhecimento do seqüestro, o COI determinou que os jogos fossem suspensos por apenas 24 horas. Entretanto, os eventos que estavam em andamento iriam continuar. Os times de voleibol soviético e polonês jogaram uma partida naquela tarde, a poucos metros do local do ataque terrorista.

O governo israelense decidiu não ceder às exigências terroristas. Golda Meir, então primeira-ministra de Israel, afirmara: "Se cedermos, nenhum israelense, em nenhum lugar do mundo, poderá sentir-se seguro". Apesar de saber que era fundamental resolver a questão, a Alemanha discordava de Israel quanto à forma de tratar o problema. Willy Brandt, chanceler da Alemanha Ocidental, chega a Munique e decide negociar, a despeito da posição de Israel.

Golda Meir manda Zvi Zamir, chefe do serviço secreto israelense - o Mossad - a Munique, como seu porta-voz. Zamir chega acompanhado por um agente do Shin Bet - serviço de segurança interna de Israel - mas não é bem recebido pelas autoridades locais e, impotente, observa os erros cometidos pelos alemães.

16:30h - Um dos terroristas exige um avião para levar o grupo e os reféns ao Cairo, Egito. O ministro do Interior alemão, Hans-Dietrich Genscher, queria primeiro ver os atletas israelenses. Eles permitiram. Os reféns disseram a Genscher que estavam bem.

Os negociadores alemães dizem aos terroristas que o governo israelense iria levar os 200 prisioneiros até uma capital árabe a ser designada posteriormente. Os alemães ocidentais, por sua vez, iriam providenciar três aeronaves para levar os terroristas e os reféns até a capital designada.

Enquanto as autoridades alemãs ocidentais negociam com os terroristas, um resgate relâmpago está sendo planejado. Esta arriscada operação estava sendo idealizada pelas forças alemãs que, infelizmente, não possuíam o treino necessário para executá-la. Mais de 500 policiais da Alemanha Ocidental cercaram o prédio onde estavam os reféns. Três grupos de atiradores de elite foram colocados ao longo da Connolly Strasse, até a base aérea em Fürstenfeldbruck, perto de Munique. Uma unidade israelense anti-terror foi inutilmente posta em alerta, mas em nenhum momento foi permitido que Israel participasse das operações.

22:00h - Um ônibus cinza do exército alemão pára na parte subterrânea do prédio. Os oito terroristas, ainda disfarçados e carregando suas armas, sobem no ônibus junto com os nove reféns, que têm explosivos amarrados no corpo. Em 10 minutos chegam ao local onde dois helicópteros militares da Alemanha Ocidental os aguardavam. Um terceiro helicóptero com oficiais da Alemanha Ocidental e Zvi Zamir decola. Os três helicópteros voam até Fürstenfeldbruck, aproximadamente 30 quilômetros a oeste.

22:30h - Assim que o helicóptero pousa, os oficiais da Alemanha Ocidental e Zamir correm para a torre de controle. Cinco minutos mais tarde, os outros dois helicópteros aterrissam lado a lado, a alguns metros da torre de controle. Dois terroristas armados com fuzis AK-47 saem e se dirigem a um 727 da Lufthansa. Na seqüência, dois outros terroristas saem dos helicópteros e acenam aos pilotos e co-pilotos para que saiam e se dirijam ao 727, apesar de terem prometido à tripulação que esta seria libertada depois da aterrissagem na base.

22:38h - Um terrorista entra no 727. Logo percebe que o avião não havia sido preparado para o vôo. A Lufthansa não tinha conseguido uma tripulação que quisesse trabalhar naquelas circunstâncias. Um policial da Alemanha Ocidental ordena a cinco franco-atiradores que atirem de uma só vez no maior número de terroristas à vista.

22:44h - Dois terroristas que voltavam do 727 estavam no meio do caminho, entre os helicópteros, quando ouviram um tiro de fuzil. A bala que mirava um dos terroristas não o acertou. Outras duas foram disparadas contra os dois terroristas que guardavam os helicópteros. Os dois foram atingidos e caíram, mortos. Um dos dois terroristas correu para os helicópteros e foi baleado e morto. Mas o segundo correu para baixo de um dos aparelhos, começando a atirar. Os outros quatro que estavam dentro dos helicópteros começaram, também, a disparar. A policia da Alemanha Ocidental, muito mal equipada, foi massacrada. Os alemães utilizavam fuzis que só disparavam uma bala de cada vez. Os terroristas atiraram contra a torre de controle. A pista ficou escura. O tiroteio continuou por mais seis minutos. Depois veio o silêncio. Pendurado no helicóptero, um terrorista jogou uma granada de mão para dentro da aeronave. A granada explodiu e queimou a aeronave. Os cinco reféns israelenses já estavam mortos porque haviam sido baleados, antes da explosão. O grupo "Setembro Negro" tinha executado os israelenses no exato momento em que os atiradores abriram fogo.

23:00h - Conrad Anters, porta-voz da República Federativa da Alemanha, estava para ser entrevistado no noticiário noturno, quando recebeu um telefonema do ministro das Relações Exteriores, que acabara de ser informado pela polícia que a operação de resgate se desenvolvera conforme o plano. A agência de notícias alemã, a DPA, também tinha noticiado o sucesso da operação trinta minutos antes. Anters anunciou, na televisão, que o resgate tinha atingido seu objetivo!

Muitas pessoas em Israel foram dormir, naquela noite, pensando, equivocadamente, que os nove israelenses tinham sido resgatados. Ao acordarem, depararam com a horrível notícia da morte dos atletas.

O mundo estava chocado. Pedidos para que os jogos fossem suspensos vieram de todos os cantos do mundo. Caberia a Avery Brundage a decisão de suspender a competição. Não teve dúvida e, usando sua influência perante o COI e apoiado pelas autoridades alemãs, decidiu continuá-los.

Os jogos foram reiniciados, apenas as bandeiras dos países participantes foram erguidas a meio-pau, em sinal de luto. Cerca de 80.000 pessoas se reuniram no estádio principal para uma cerimônia em memória dos atletas.

O luto, porém, não foi universal. Os times árabes se recusaram a participar e, mesmo quando a cerimônia estava em andamento, atletas da então União Soviética e do chamado bloco comunista brincavam, indiferentes, com bolas de futebol nos campos de treinamento por perto.

Apesar dos protestos do mundo todo, especialmente da mídia, a indiferença da comunidade internacional pelos israelenses foi simbolizada pelo fato de que os Jogos Olímpicos continuaram, apesar da morte dos onze participantes de Israel. Três terroristas árabes que tinham sobrevivido foram libertados pelo governo da Alemanha Ocidental, em 1973, em troca do pacífico desfecho do seqüestro de um avião da Lufthansa.

Para Israel, o ataque em Munique foi um marco na guerra de Israel contra o terror. A primeira-ministra Golda Meir concordou com o plano de Zvi Zamir de formar grupos para caçar e matar os responsáveis pelo horrível ataque em Munique. "Mandem seus homens", ela ordenou, e nomeou o ex-chefe da inteligência militar, Aharon Yariv, como seu conselheiro. Em outubro de 1972 os grupos do Mossad estavam prontos para agir. E executaram doze terroristas responsáveis pelo massacre de Munique.

Bibliografia

Slater, Elinor & Slater, Robert, Great Moments in Jewish History

Editora Dorling Kindersley, 20th Century day by day